Minha Frase preferida desde o mes de julho de 2013


"A felicidade de um amigo deleita-nos. Enriquece-nos. Não nos tira nada. Caso a amizade sofra com isso, é porque (ela a amizade) não existe." Jean Cocteau

Seres Espelhados Espalhando Sonhos e Delírios como eu

Translate

sábado, 6 de abril de 2013

Relembre a infância e faça um passeio pela história

Imagem: Google
Conheça a origem de 6 brincadeiras populares que crianças do nosso país brincavam em tempos que se vivia feliz e não sabíamos!
Além das brincadeiras descritas ainda tinham muitas outras que se faziam, como picula, pega-pega, esconde esconde, chicotinho queimado etc,etc,. Quem viveu esses momentos ainda tem recordações muito boas.

 

Você provavelmente já participou de alguma dessas brincadeiras. Seu pai também. E seu avô. E o avô do seu avô. Algumas brincadeiras são tão antigas que até os antigos reis de Roma devem ter entrado na roda. Para relembrar a infância e fazer um passeio pela história, listamos a origem de 6 brincadeiras populares:
.
1. Cabra-cega

Quando: 500 a.C.
Já deve ter um tempo que você não vê ninguém brincando de cabra-cega por aí. Mas, caso queira reviver a tradição, basta conseguir um pedaço de pano e reunir a turma: a cabra-cega da rodada deve ser vendada e tentar encontrar os companheiros de brincadeira; ao trombar em alguém, deve adivinhar quem é a pessoa – se acertar, esta passa a ser a cabra-cega. Acredita-se que brincadeira, que já foi popular entre a criançada, tenha sido originada durante a Dinastia Zhou, da China, perto do ano 500 a.C. Na Idade Média e na Era Vitoriana, era um divertimento aristocrático: na Casa dos Tudor (dinastia inglesa que reinou entre 1485 e 1603), jogos de cabra-cega eram opção para recreação.
.
2. Cara ou coroa

Quando: aproximadamente 300 a.C.
É verdade que este parece mais um pré-jogo do que uma brincadeira propriamente dita, mas prometemos não julgar caso você queira desafiar a probabilidade e instituir o I Campeonato de Cara ou Coroa. O jogo, que surgiu na Roma Antiga, era conhecido como navia aut caput, “cara ou navio”, em referência à moeda que trazia de um lado o rosto do deus da mitologia Janus e, do outro, uma embarcação. Além de ser usado para decidir quem escolhe o campo e quem começa com a bola antes de toda partida de futebol, o jogo já foi importante para resolver impasses maiores: nos EUA, em 1845, Asa Lovejoy e Francis Pettygrove jogaram a moedinha para saber quem escolheria o nome da nova cidade do estado de Oregon. Pettygrove levou a melhor e nomeou a cidade como Portland.
.
3. Joquempô
Quando: entre 206 a.C. e 220 d.C.
Tesoura corta papel, papel cobre a pedra, pedra esmaga Lagarto, Lagarto envenena Spock, Spock esmaga tesoura, tesoura decapita Lagarto, Lagarto come papel, papel refuta Spock, Spock vaporiza pedra que, é claro, esmaga tesoura. Muito antes de Sheldon Cooper nos apresentar o jogo “Pedra, Papel, Tesoura, Lagarto, Spock” (criado por Sam Kass) em The Big Bang Theory, o joquempô já acumulava milênios de tradição. Os primeiros registros que se têm da brincadeira estão no livro chinês Wuzazu, escrito durante a Dinastia Han, entre os anos 206 a.C e 220 d.C. No século 17, o jogo com os elementos que conhecemos hoje já era popular na China e no Japão, e no século 20 já havia se espalhado pelo mundo.
.
4. Par ou ímpar


Quando: aproximadamente 200 a.C.
Um torneio de par ou ímpar não seria televisionado, é verdade, mas a sua origem mereceria uns minutinhos da programação. O jogo é uma variação da Morra, brincadeira criada na Roma Antiga e popular até o dia de hoje, principalmente na Itália. No jogo da antiguidade, os participantes costumavam se reunir em roda e mostrar entre 0 a 5 dedos de uma das mãos – o desafio era adivinhar a soma total da roda e ganhava quem gritasse o número mais rápido.
.
Bônus: O “Dois ou um” também deriva da Morra e é um bom método de eliminação (e para decidir quem fica “na de fora”): todos devem mostrar, ao mesmo tempo, um ou dois dedos de uma das mãos. Os que colocarem um número diferente da maioria são eliminados e, no final, para decidir o ~ultimate champion~ basta recorrer ao par ou ímpar.
.
5. Jogo da Velha

Quando: 1 a.C.
Para se divertir no Império Romano, um dos jogos mais populares era o bom e velho Jogo da Velha: marcas das matrizes de três linhas e três colunas, que datam do ano 1 a.C., foram encontradas em diversos lugares de Roma. Mas acredita-se que o jogo, cujo objetivo é completar primeiro uma linha de três círculos ou xis em sequência, possa ter origem ainda mais distante. A educadora estadunidense Claudia Zaslavsky aponta em seus estudos que o jogo poderia ter derivado de brincadeiras similares já presentes no Egito Antigo. O jogo de mais de 4000 anos foi pioneiro nos computadores: OXO, criado em 1952, foi um dos primeiros videogames desenvolvidos.
.
6. Amarelinha

Quando: século 17
Do 1 ao 10 para chegar ao céu. Caso você não se lembre, a amarelinha, jogo popular entre as crianças de antigamente, tinha regras simples. Depois de desenhar o percurso no chão (como na foto acima) jogava-se uma pedrinha na primeira casa e o objetivo era ir pulando até chegar à marca circular, evitando a casinha em que estava a pedra. Na volta, o desafio era se equilibrar para pegar a pedrinha. Acredita-se que amarelinha teria sido inventada pelos romanos – gravuras mostram crianças brincando de amarelinha nos pavilhões de mármore nas vias da Roma antiga. Mas as primeiras referências ao jogo de que se tem registro confirmado datam do século 17. No manuscrito Book of Games (“Livro de jogos”, em português), compilado entre os anos de 1635 e 1672, o estudioso inglês Francis Willughby já descrevia a brincadeira em que crianças pulavam sobre linhas no chão no percurso que simbolizava a trajetória do homem através da vida. 

6 comentários:

  1. Permita-me falar das balas de anis, hoje são importadas, mas não mais caras que uma caixa de bombons. Ontem ofereci uma bala de anis para alguém que nunca tinha ouvido falar dela: _Isso não faz mal à saúde? Ri à vontade. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  2. belo post

    fashionpassionomg.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Sem passado não existe futuro, é bom recordar.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. "Quando se gosta da vida, gosta-se do passado, porque ele é o presente tal como sobreviveu na memória humana."

    Bom fim de semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. As brincadeiras são natas d'alma humana.Muitas destas não tinha ouvido falar, mas outras conheço bem e até as contei lá no blog,onde por pura coincidência, postei um tema parecido.
    Bom fim de semana, Lu.
    Abraços,
    Calu

    ResponderExcluir
  6. Agradecemos pelos comentários descritos com carinho, espero uma nova visitas dos amigos para que Espelhem e Espalhem sempre Amigos.
    Abraço

    ResponderExcluir

Que bom que veio, fique a vontade o quanto desejar.
Se apenas leem eu gosto. Mas se comentam eu adoro!
Volte sempre para o abraço entre sonhos e delírios
Catiaho Alc/Reflexo dAlma
http://reflexodalma.blogspot.com/
http://reflexosespelhandoespalhandoamigos.blogspot.com/
,

Venho aqui e Olho pro amanhã dessa forma: com ALEGRIA!

Venho aqui e Olho pro amanhã dessa forma: com ALEGRIA!
Já caminhei muito tempo sem me dar conta do quanto é importante o que eu sei, quero e posso. Passei muio tempo dando prioridade a todos ao meu redor. Daqui pra frente meu olhar obedece a uma nova perspectiva, pois minha palavra de ordem é ALEGRIA.Não quero e não vou viver mais um segundo sem esse ingrediente essencial.. Experimentem e depois de contem o resultado. CatiahoAlc, terça feira 05 de janeiro de 2015

Eu sempre entre meus sonhos realizados e meus delírios incessantes...

Eu sempre entre meus sonhos realizados e meus delírios incessantes...