Web Statistics

Minhas Frases preferidas desde sempre:

"A felicidade de um amigo deleita-nos.

Enriquece-nos. Não nos tira nada.

Caso a amizade sofra com isso, é porque (ela a amizade)

não existe."

Jean Cocteau

...

"Saudade é a nossa alma dizendo para onde ela quer voltar."

Rubem Alves

Seres Espelhados Espalhando Sonhos e Delírios como eu

Translate

OBSERVAÇÃO NECESSÁRIA

LEITORESAMIGOS, Vocês já devem ter notado que as Publicações no Espelhando são compostas de mais de um item: Um Texto - Uma Can Cão - uma Poesia - IMagens. Deixo claro que: 1- Sou a única responsável pelas publicações 2- e seus conteúdos. 2- OS Itens das Publicações é para que CADA UM AMIGOLEITOR SÓ LEIA O QUE DESEJAR: OU O TEXTO (CON VERSA) OU A POESIA (COM VERSOS) OU OUÇA A MÚSICA (CAN ÇÃO) OU AS IMAGENS (FOTOS). CONTO COM A COMPREENSÃO DE VOCÊS QUERIDOS LEITORESAMIGOS CatiahoAlc.

terça-feira, 11 de agosto de 2020

Essa luz

Que meu caminho
ilumina
Em 2012, Eu num momento feliz
 em minha Oficina da Palavra
 interpretando minha Poesia
Nada mais é
senão
Poesia
Vontade ver descrito
a
emoção de
cada dia
Havendo paixão
encanto
ou magia
Meu viver é
simples
desde que
nela
brilhe essa luz
de nome
POesia
CatiahoAlc./ReflexodAlma
entre sonhos e delírios


                                      CANÇÕES 
COM JORGE VERCILO



IMAGENS
NO JARDIM
Orégano e cebolinha no vaso


                                                             Flores para enfeitar a grade
                                                                  Beijo branco que Alice adora
                                                                   jogar pra cima com o Avô e o Tio
                                                                    e gritar: FESTA!

                                          Onze horas maravilhosa que eu plantei e ela nem murchou






                                                             Onze horas e Beijo que plantei

 
 Meu maravilhoso pé de tomate 
eu plantei de sementes

Conversa depois 
da Poesia, das Canções e das Imagens.



Confesso me ver assustada com a forma como as  pessoas radicalizam situações e logo em seguida banalizam essas mesmas em atitudes.
Não sou exemplo para nada, mas durante essa tempo de reclusão imposta sendo humana e propensa a erros, desde março procurei tomar todos os cuidados necessários. Primeiro disseram abertamente que o uso de máscaras era somente para o pessoal da saúde, pessoas infectadas e familiares que moram na mesma casa. Havia a recomendação de somente sair de casa em extrema necessidade. Como tinha realmente muita necessidade eu saía para agir, mas procurava sair em horários com as ruas mais vazias. Não entrava e ainda não entro em supermercados, farmácias ou padarias que estivessem e estejam cheios ou com filas. Deixei de caminhar na orla porque era essa a recomendação, segundo eles, para evitar que o vírus circulasse. Logo a seguir o uso da máscara tornou-se obrigatório; uma vizinha idosa e sua amiga deixaram um anúncio na recepção do condomínio de que estavam doando máscaras confeccionadas por uma elas. 
Nesse tempo ficamos sem ver o filho mais velho e sua família que moram na cidade vizinha, o que nos foi doloroso por estarmos com eles com frequência, mais para ver as duas netas. Eu confesso ter  sofrido muito com as tentativas de transmissão por celular. Tentei duas vezes  com as netas e duas vezes com meus maiores amigos nessa vida. O resultado após a transmissão era horrível, assim que desligávamos o celular, eu caía em um pranto sem consolo. Confesso que passei a evitar, pois a recomendação sempre foi: cuidado para a imunidade não baixar. O 3º aniversário da pequena Alice aconteceu no dia 30 de março com cada um na sua casa, aí mesmo que chorei horrores. 
Assim março foi, chegou abril, maio, junho, julho e aqui estamos em agosto. 
Vivemos todas as fases sempre dentro da segurança necessária, o que nos proporcionou estarmos saudáveis. 
Todavia voltando ao início desse escrito, eu me assusto com a forma como os seres radicalizam tanto para um lado como para o outro. Mas  tenho vivo na lembrança que quando completou 100 dias desse estado de reclusão, independente das leis ou recomendações, pareceu-me que as pessoas deixaram de se importar. Uma família em um prédio aqui perto simplesmente reúne pessoas toda semana dessa data em diante das 20:00 h dos sábados as 05:00 h da manhãs de domingos. Conversas em voz alta, músicas, cantorias. Daí em diante pelo menos por aqui por onde vivo, as máscaras não são usadas por todos. Alguns supermercados deixam o álcool gel ao lado na entrada e cada um que faça sua higienização, tanto nas mãos quanto nos carrinhos ou cestas. Muitos dos meus vizinhos que sempre viajam nos fins de semana para cidades próximas, depois dos cem dias voltaram a ir e vir e trazendo e levando pessoas de um lugar para o outro. 
Não sei gente... 
Não sei se sou eu que estou maluca no que penso e entendo disso tudo que passamos ou se realmente estamos caminhando para não sei onde. 
Pois aqui em casa nada mudou, ainda usamos álcool gel quando saímos e quando entramos em casa. Ainda chegamos da rua e deixamos os calçados lá fora até podermos lavá-los, isso quando eles não vão direto para um balde para essa finalidade. As roupas usadas ao sairmos são logo lavadas e o banho é certo. Para que tudo isso funcione quem tem que sair, procura sair o mínimo possível. 
Eu? Eu ainda acordo toda madrugada e fico olhando pela janela pedindo a Deus que isso tudo realmente passe, pois entendo que os cuidados tomados desde março  aos poucos serão deixados de lado: com ou sem vacina. Aqui em casa pensamos que para o nosso bem, bem dos nossos e para o bem de todos nós é melhor não abrirmos a guarda assim. Não é tempo, pois esse é um vírus oportunista que ficará a espreita e ao menor sinal de baixa da imunidade ele não vai perdoar, vai se instalar e aguardar onde nosso organismo estiver frágil, é por isso que somos orientados a reguardar e proteger nossos idosos ou aqueles que tem alguma fragilidade. 
Falando claramente: não é muito complicado lavar as mãos, usar álcool gel, tossir ou espirrar da forma correta e até a máscara não é um grande sacrifício para proteger a nós e aos outros. 
Mas... eu não sou da área médica, nem especialista em nada do gênero, sou apenas uma mulher comum conversando sobre minhas impressões.
Obrigada por lerem.
CatiahoAlc. 






14 comentários:

  1. Lindo e que a luz poesia brilhe sempre em teus dias!Adorei as flores e fotos! bjs, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para todos nós Chica.
      Que novos tempos nos
      chegue com esperança.
      Bjins

      Excluir
  2. Fotos, video e POEMA fascinantes. O meu elogio e 👏
    .
    Abraço sentido.

    ResponderExcluir
  3. Su poesía es luz en estos tiempos tan extraños, Catiaho.

    ResponderExcluir
  4. Boa noite. Parabéns pela combinação perfeita. Música, fotografias e texto. Parabéns pelas suas impressões. Muito lindas. Você tem um fã carioca.

    ResponderExcluir
  5. Cátia, compreendi e senti teu texto, aqui eu também já estou meio confusa, são muitas vozes diferentes, muito tempo sem solução, muitas opiniões 'técnicas' e isso já está atingindo as pessoas. E na verdade, a flexibilização que fazem, muitas pessoas não estão respeitando, fazem festas e aglomerações intensas. Está difícil. Estou cumprindo tudo direitinho, mas outros não. Ando meio confusa, amiga.
    Gostei de te ler! Você falou com o coração, e esse, sempre compreendemos.
    Beijo, até mais!

    ResponderExcluir
  6. Bom fim de noite querida amiga.
    O bom que esta luz brilha e brilhando somos agraciados com belas poesias como a lida.
    Que bom que as plantas florescem e dão aos olhos este refrigério.
    E assino seu desabafo pois nada acabou, nada passou. Os sem noção estão por todos os lados amiga.
    Os paredões estão pipocando pelos estados e que leva a sério as recomendações são achincalhados.
    Mas sigamos na nossa consciência.
    Que a semana esteja leve e alegre.
    Bjs amiga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Toninho,
      Que bim que não estou sozinha,
      porque as vezes parece que sou uno.
      Obrigada por vir
      ler aqui.
      Bjins

      Excluir
  7. Passar do 8 ao 80.
    Muita gente na borga, na praia.
    Oxalá não se arrependam.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pedro,
      Nem me fale em praia,
      pq aqui infelizmente
      ninguém deixou
      de ir lá um só fim de semana nesses
      meses todos!
      Bjins de gratidão poe ler aqui.

      Excluir
  8. Ola querida,
    Uma postagem bem diversificada
    Queremos dias de luz, de brilho.
    De sol e estrelas.
    Tambem tenho uma hortinha aqui em casa.
    E assim vamos seguindo sem imaginarmos como sera nosso futuro
    pedindo e rogando a Deus que dias melhores cheguem logo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Ciao buona serata e un caloroso abbraccio.

    ResponderExcluir

Que bom que veio, fique a vontade e o quanto desejar.
Se apenas ler; eu gosto. Se comenta: eu adoro!
Volte sempre para os
Bjins e Abraço entre sonhos e delírios
CatiahoAlc./Reflexod'Alma
https://frasesemreflexos.blogspot.com
https://aprendendocomelessempre.blogspot.com/


.

Ei!

O que estou escrevendo aqui NÃO É PESSOAL E NÃO SE

REFERE A NINGUÉM DA VIDA VIRTUAL E SIM DOS MEUS VIZINHOS

DE BAIRRO, OK?

Escrevo aqui para me expressar somente. Penso que estamos vivendo mais um dia e que devemos ser gratos a Deus e aproveitarmos todo aprendizado que esse dia nos trouxer. Devemos: usar máscara, mesmo os já vacinados , usar álcool gel, lavar as mãos ao chegarmos da rua, deixarmos os sapatos do lado de fora até serem limpos, evitarmos contato físico com pessoas que não vivem no mesmo recinto, evitar viajar (sem ser necessário) viajar a lazer nem pensar, não é hora de lazer, ainda que secos para tal estejamos. Eu ando com muita saudade dos meus amigosafilhados, das minhas irmãs e meu cunhado e de ver minha casa no RJ que está fechada desde janeiro de 2020, quando lá estive. Uma coisa tem me chamado muito a atenção: Parece que já terem sido contaminados e terem sobrevivido e a possibilidade da vacina, já deu a algumas muitas pessoas a ideia de estarem totalmente livres de contaminação, bem como os que já tomaram a vacina e passaram a ficar descuidados. Isso me preocupa muito. Estou reclusa em casa com meu marido e filho caçula há mais de 1 ano, vejo muito pouco meu filho mais velho, esposa e filhas que moram na cidade vizinha. Detesto não me sentir livre para ir e vir e mesmo para caminhar na orla que fica ha 3 ruas da minha casa. Vamos resistir mais um pouco, vamos preservar nossa saúde física e mental o mais que pudermos. Por hoje é o que eu penso; caso entendam que eu esteja errada: me perdoem. Bjins de bons dias a todos. CatiahoAlc.

Postagens mais visitadas

Atua LIz Ações