Minha Frase preferida desde o mes de julho de 2013


"A felicidade de um amigo deleita-nos. Enriquece-nos. Não nos tira nada. Caso a amizade sofra com isso, é porque (ela a amizade) não existe." Jean Cocteau

Seres Espelhados Espalhando Sonhos e Delírios como eu

Translate

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Epifania dádiva para poucos


De um momento  para o outro o pensamento se desconectou da realidade e voou para um tempo e um momento quase guardado de vez no fundo da memória. A Moça entrou em um tipo de transe. 
Estava em uma sala de espera e deveriam demorar a chamar seu nome, para então dar forma ao sonho antigo, sonho este que nem vem ao caso. 
Na verdade o devaneio sim, esse tomou conta do semblante de Emiliana, -lembro do nome por ter ouvido alguém confirmar com ela em alta voz: Sra Emiliana Sam de Almeida? -ela levou o braço e nem mesmo falou,  o elevar de mão já foi suficiente para a tal confirmação. A Moça nem era jovem demais e muito menos com idade a mais, era na verdade somente uma mulher com um brilho no olhar, em verdadeira catarse. 
Eu, ali sentada bem a sua frente observava sem me deixar notar. As vezes ela piscava várias vezes e secava os olhos com um lencinho tão mimoso e bonitinho a ponto de chamar atenção. Outras vezes a Moça balbuciava palavras misturadas, talvez eu até entendesse se ela o fizesse um pouquinho mais alto. Entretanto lembro bem de ouvir: 'aquele danado' outra vez consegui ler em seus lábios: 'esse gosto bom voltando' e a ultima coisa que pesquei foi 'eu quero novamente sim'. Seus seios estavam sinalizando marcando a blusa fininha; uma vez ela torceu os lábios e apertou bem as pernas.
-a gente mulher sabe bem o significado desse pequeno gesto.
Não pensem ter ela algum aparelho eletrônico em mãos ou um desses fones que deixa as pessoas parecendo  desvairadas falando sozinha rua a fora. Eu absolutamente creio ser realmente um daqueles raros momentos de pleno frenesi em total epifania.
Era ela e seus delírios.
Eu ali em sua frente sendo quem sou entendia claramente o quanto era epifania, pois é algo muito comum nessa minha mente poeta. Gostei de observar e de sentir o quanto o universo de cada Ser é Único, Independente e Completamente livre.
Seja lá o que levou a Moça até aquele lugar onde os profissionais são especializados em ouvir e ouvir seja lá o que lhes for dito. A verdade é que chamaram a Moça: -Sra Emiliana Sam de Almeida! 
-ela sem perder o brilho do olhar e o rubor face, levantou, suspirou e deliciosamente passou a lingua nos lábios (como se tivesse sede)  disse: - Muito obrigada. Para o espanto de todos ali, girou os calcanhares e foi EMBORA, feliz feliz com seja lá o que a deixou assim naquele delicioso estado delirante de Epifania.
CatiahoAlc./ReflexodAlma/TI
vivendo meu momento de Epifania ao escrever esse texto 
18:13h de segundafeira, 18 de setembro de 2017/TI

domingo, 17 de setembro de 2017

Não sei ...


Não sei choro ou se sorrio
Não sei me retenho ou se me contenho
Não sei se grito ou se me calo
Mas sei que farei que for certo pra mim
Se gritar o farei com força
Se silenciar será por atitude
Se sorrir ou chorar será por prazer
Mas me entregar é certo
Sem reservas ou limites
Me entregar é exercer minha liberdade
Ser plena é que nasci pra SER
Isso é certo que SEI

CatiahoAlc Reflexo'Alma
entre sonhos e delírios
TNI

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Como se em meio do Mar



Em meio ao movimento do mar o corpo se deixa
se encosta
se encaixa
Nesse vai e vem que a roda  
da vida
 girar faz
Inauditas
Entretanto plenamente 
sentidas
divididas
estendidas
E o corpo que no do outro se
completa
invade
toma posse
Nada retendo
negando ou
não permitindo
Como se no meio do mar nesse momento o ser estivesse
São cheiros que se encontram
Gozos que se procurando
 e se misturam
Em bocas que se pedem
Corpos que não se perdem
Desejos que sempre  regem
Como se se no meio do mar 
Tudo 
Nada se fizesse 
ou desejasse acalmar
latejando
 aumentando o desejar
que cedem 
aos gritos e gemidos  da
explosão final
para  tudo por um tempo 
deixar pleno
o que agora
só silêncio   
faz...
CatiahoAlc//ReflexodAlma205019 04 011 
Eu na Catedral de Vitória em pleno êxtase do concerto 





eN tÃO...



Nu dEz
Carne
 ex posta
Peitos
 à mos tra
Braços
 aber tos
Respi ração
 ar fando
Sexo lat ejando
Coração vaz io
Alma er rante
Sonhos des feitos
E a carne que gri ta
desejo que or dena
A saudade que quei ma
A carne expos ta mostra
peito arfan do  errante
Coração Vaz io em
Sonhos desfei tos
Queimando saudad es expostas
Abraço que junta ped aços
Bocas que em des ejo se juntam
Em sexo se refaz er
como esses vers os
sem nex o 
Poema em nu dez 
se diz er
e se  faz er

CatiahoAlc/Reflexo d'Alma entre delírios e delírios 
17471605011

terça-feira, 12 de setembro de 2017

SemPrE Outro DiA É

Eu em visita a Oficial Academia de Letras de Tijucas/SC/2014

S
empre uma palavra 
Forte
Talvez uma forma de
Esquiva
Nunca um jeito de
Fuga
Entretanto todo dia
Outro
Dia è e a roda da
Vida
Gira querendo a gente ou 
Não
Contudo a gratidão bem nos
Faz
E viver um dia d ecada
Vez
Dádiva divina
Viver 
Outro dia
SemPrE 
É
CatiahoAlc/ReflexodAlma/TI
12 de setembro de 2017,09:24


domingo, 10 de setembro de 2017

Dizer NÂO é Preciso



Aprendi da forma
Errada
Que todos sempre tinham
 Razão
Eu sempre me fiz
Ajustar
De acordo com as
Vontades
Não as minhas sempre as dos
Outros
E muitas vezes  a de
 Todos
Mesmo em contraposição com a tal da
Razão
Há o certo e há o
Errado
Entretanto o que
Eu
Levo de  fato em
Conta
Minha vontade e
Coerência
Vivi tempos de muito abrir de
Mão
Hoje o Não me faz diferença
Toda
Assim com cabeça
Erguida
Mando as favas a tal da
Razão
E digo sem medo e sonoramente
NÃO
CatiahoAlc./ReflexodAlma
Pasargada,10 de setembro de 2017,1958h
TI


quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Sobre

Foto tirada em Penedo/RJ por nosso amigoafilhado

Sobre a página da vida
Meus sonhos vou desenhar
Quero cores bem vivas
Pra eu poder me expressar
A cada cor quente desejo
Passar o meu calor
E nunca deixar que a tristeza
Minimize o meu valor
Espero manter a esperança
Que brilha no olhar contente
De uma bela criança
Que vive a encantar a gente
CatiahoAlc/Reflexod'Alma
Texto de 2007


segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Nesse tempo de Flores



Não consigo deixar de pensar na bela mensagem 
deixada pelo livro "O menino do dedo verde"
Juro queria esse dom
 Entretanto não usaria para
Chamar atenção de quem vive em guerra
Essa guerra de verdade com canhões e bombas
Como cita a história
Eu usaria para tocar de leve o dedo nos lábios
De seres amargos cheios de palavras de desânimo
De seres espelhadores da falta de esperança
De seres que usam as palavras como arma para calar
Até mesmo os pensamentos que eles por falta
De sensibilidade não compreendem a dimensão
Também usaria pousar de leve meu dedo nos lábios
Daqueles que ao invés de saborearem o presente
E as coisas boas que acontecem todo tempo
Quando ameaçados lembram de um erro cometido pelo
Outro e já verbalizado e considerado como superados
E quando já me desse por quase satisfeita
Daria um jeito de pousar meu dedo bem de leve
Nos seres que esqueceram de ser gentis com os seus
E daqueles que já esqueceram como é ser acarinhado e bem tratado
Eu com certeza não esqueceria de pousar meu dedo nos lábios dos que
Esqueceram de como sexo com quem se ama é gostoso
E pousaria com certeza o dedo nos lábios daqueles que não entendem que nem sempre o corpo está pronto para esse deleite
Há tempo para o sim e tempo para o espere nessa tão complexa prática
Em fim se o Menino do dedo verde conseguiu provocar a Paz através das flores
Eu mesmo uma reles mortal e muito menos personagem de algum autor eu sou
Eu desejaria e desejo ver e sentir as pessoas mais amenas 
 Mais afetuosas
Menos amargas 
Menos prontas para o ataque como defesa
Mais prontas aos pactos em prol da harmonia
E totalmente acessíveis ao afeto e ao sexo pleno sem esquivas
Todavia repito 
Não para cansar quem me lê aqui
Mas para enfatizar que não sou personagem como do livro-infanto juvenil 
Escrito por Maurice Druon em 1957 O menino do dedo verde
Mas sou a Mulher Poeta Catiaho e como Reflexod'Alma
Posso me indignar com os seres de cenho sombrio 
Com  palavras opacas sem esperança
Seres  com a palmatória em riste pronta para entrar em ação
E castigar com palavras atos covardes
Não em quem errar com atitudes dúbias ou erradas 
Mas em quem se mostrar pronto para aprender e a levar
Da vida tudo que ela tiver de melhor para oferecer
Repudio a esses seres e prefiro sonhar em poder
Tocar na maioria deles com minhas simplórias palavras
Sempre com  Palavras de alegria
Com Palavras de Esperança
Com Palavras de Paz e muitos bons trabalhos
Que tenho por resultados da positividade do meu viver
A Primavera me trás essas reflexões que preferi até hoje deixar
 Guardada em arquivos somente ao alcance de meu olhar
Mas hoje deixo um basta aos textos engavetados e ao silêncio 
É isso.
Clarice costuma muito bem  dizer
"Porque há o direito ao grito. 
Então eu grito."
Clarice Lispector LISPECTOR, C. A Hora Da Estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

Feliz e eficaz semana a todos
Catiaho Alc.
Segunda-feira 04 de setembro de 2017, 10:00h./TI

Vale à Pena:
Abaixo Confiram se conseguem baixar o livro O menino do dedo verde gratuitamente nesse site http://lelivros.stream/book/download-o-menino-do-dedo-verde-maurice-druon-em-epub-mobi-e-pdf/

E minha saudação a Poeta que Amo!
Uma Frase e Poesias de Cecília Meireles

"Aprendi com as primaveras a deixar-me cortar e a voltar sempre inteira."
Cecília Meireles , Antologia Poética. 
Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2001.

Recado aos amigos distantes

Meus companheiros amados,
não vos espero nem chamo:
porque vou para outros lados.
Mas é certo que vos amo.

Nem sempre os que estão mais perto
fazem melhor companhia.
Mesmo com sol encoberto,
todos sabem quando é dia.

Pelo vosso campo imenso,
vou cortando meus atalhos.
Por vosso amor é que penso
e me dou tantos trabalhos.

Não condeneis, por enquanto,
minha rebelde maneira.
Para libertar-me tanto,
fico vossa prisioneira.

Por mais que longe pareça,
ides na minha lembrança,
ides na minha cabeça,
valeis a minha Esperança
Cecília Meireles

Segundo motivo da rosa

Por mais que te celebre, não me escutas,
embora em forma e nácar te assemelhes
à concha soante, à musical orelha
que grava o mar nas íntimas volutas.

Deponho-te em cristal, defronte a espelhos,
sem eco de cisternas ou de grutas…
Ausências e cegueiras absolutas
ofereces às vespas e às abelhas.

E a quem te adora, ó surda e silenciosa,
e cega e bela e interminável rosa,
que em tempo e aroma e verso te transmutas!

Sem terra nem estrelas brilhas, presa
a meu sonho, insensível à beleza
que és e não sabes, porque não me escutas...
Cecília Meireles

Motivo

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
— não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
— mais nada.

Cecília Meireles


sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Que venha SeTEmBro



Com tudo que tiver
Traga suas flores
E nos encha de alegria
Pode até chover
Outras vezes fazer frio
Mas o Calor de cada flor
Nos fará deliciosa companhia
Nesse més que me é singularmente
Especial
Além de todas as Flores
Nasceu minha Flor Mãe Maria Dolores
Muita gente linda
Tem por seTEmBro sua data
Junto ao desabrochar de tantas Flores
Também Ana Clara nasceu
E seus sete anos completa
Para aumentar minha alegria
Por isso
Que venha SeTEmBro
E nos brinde
 Com seu inesquecível
Dia a Dia
CatiahoAlc/ReflexodAlma
01 de setembro de 2017,00:01
TI


quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Co rA GeM



Coragem muitos 
Querem
Porém poucos abraçam com
Verdade
Melhor ficar só fingindo
Vontade
Do que enfrentar a vida de 
Frente
Coragem é receber  o que a Vida 
Trás
É assumir um 
Posicionamento
Não é só pagar as 
Contas
E ficar no 
Acomodamento
Coragem é ser 
Autêntico
Gostem da gente ou 
Não
É rir  ou chorar quando se tem 
Vontade
É gargalhar sem da censura ver a
Necessidade
É deixar na vida o 
Rastro
De saber viver a tal 
Liberdade
CatiahoAlc/ReflexodAlma
30/08/017
TI


Venho aqui e Olho pro amanhã dessa forma: com ALEGRIA!

Venho aqui e Olho pro amanhã dessa forma: com ALEGRIA!
Já caminhei muito tempo sem me dar conta do quanto é importante o que eu sei, quero e posso. Passei muio tempo dando prioridade a todos ao meu redor. Daqui pra frente meu olhar obedece a uma nova perspectiva, pois minha palavra de ordem é ALEGRIA.Não quero e não vou viver mais um segundo sem esse ingrediente essencial.. Experimentem e depois de contem o resultado. CatiahoAlc, terça feira 05 de janeiro de 2015

Eu sempre entre meus sonhos realizados e meus delírios incessantes...

Eu sempre entre meus sonhos realizados e meus delírios incessantes...