Web Statistics

Minha Frase preferida desde o mês de julho de 2013

"A felicidade de um amigo deleita-nos. Enriquece-nos. Não nos tira nada. Caso a amizade sofra com isso, é porque (ela a amizade) não existe." Jean Cocteau

Seres Espelhados Espalhando Sonhos e Delírios como eu

Translate

segunda-feira, 22 de julho de 2019

Misto de Magia e Fantasia...


Lia um conto de fadas no instante em que o trem resfolegante adentrava àquela estação. Trancada nas páginas apertadas ao peito ia um mundo habitado por crianças e  sonhadores. E assim, agarrada ao seu mundo particular, escalava os degraus estreitos do vagão que aos safanões deixava a realidade rumo ao deslumbrante estágio da fantasia. Nas páginas dessas lembranças nem uma gota de suor vertida chaminé afora de uma locomotiva de ombros curvados de sonhos e  esperança se via, mesmo que bufasse, esperneasse e quem sabe?, sangrasse nos trilhos escorregadios que aos poucos, giro após giro a máquina ia subindo. E foi chorando, gemendo e gritando a cada serpenteada, que deu onde as águias se criam e fazem seus ninhos. É lá, meio às nuvens,  que os machos lutam por segurança e comida e as mães cuidam dos borrachudos. Ali, onde os alpinistas hasteiam a bandeira, o ar rarefaz e permeia a flora rara, que desembarcam dos  menores cochilos ao mais profundo devaneio. É ali que as ideias se confundem num misto de realidade preguiçosa e fantasia desmedida. Talvez porque na história Cebolinha fosse o cocheiro da locomotiva. Não, acho que não. Era o Pluto.  Sim, era ele ou quem sabe o Romeu da Julieta, o Peter Pan ou o Shrek? O Gato de Botas não seria tão talentoso, aliás, qualquer um seria possível pois em outras histórias até burro é capaz de voar... Mas bem que podia ser alguém da família ou até mesmo o príncipe, de Saint-Exupéry, ou um anjo como a Sininho, talvez. Todas as histórias  têm seus mistérios e nessa espiral valsam pelos salões, dançam com as lembranças e voam no dorso das emoções. Enfim, quem não sonha? A gente sonha quando o historiador fecha a roda para a leitura, o maestro abre a partitura e nossos avós tentam calar nosso pranto. Ah, esse cheiro de mato serenado, terra molhada dos primeiros pingos de chuva. O canto das águas cascateando dentro do tom. E esse verde colorindo a mata? Mas que verde se nesse tom os meus olhos perdem a conta de quanto verde se conta além das folhas coloridas no mesmo tom? E o verde vai passeando pela janela enfumaçando olhos de quem ficou e de quem já não pensa voltar como em filme de desenho animado aonde o bem arrasta o mal até a cadeia. 
  Maria fumaça que há muito não fuma, mas lança na alma da gente o fogo que o historiador sopra na alma e no coração da plateia sem cheiro  de tora queimada e rastro de mata sem  passarinho.
CANÇÃO  FELIZ PRA CACHORRO
COM 5 A SECO



                                                                  Imagens
Essa belezinha deu o ar da graça nesse frio fim de semana.
Confesso que estou arrebatada, foram 2 anos de espera e cuidados,
mas valeu e sempre valerá à pena. Sexta feira, sábado e domingo foram dias de acordar contemplar e registrar cada nova pétala aberta sob as  gotas de chuva e a temperatura amena desse inverno.
A cada dia tenho acentuada minha certeza de viver entre sonhos e delírios. CatiahoAlc,








sexta-feira, 19 de julho de 2019

Ah esses meus versos

São um misto do resultado
do meu ontem e de meu hoje
sem pretensão 
de pensar no amanhã.

São letras somadas
formando palavras que
que logo mostrarão versos
em orações perfeitas.

Ah esses meus versos
nada almejam que não
exaltar a palavra e 
os acentuar os sentimentos bons.

Ser mulher poeta
é ser livre em um mundo
tão cheio de senão(s) e
poucos para quê? 

Ah esses meus versos
são somente a expressão
de quem na poesia um dia
aprouve se encontrar.

CatiahoAlc./Reflexod'Alma
190720191044TPF/BE/TI

Canções


Vídeo de Wallace Kyosky's 




Imagens do Amigo e Fotógrafo Marcio Oliveira






quarta-feira, 17 de julho de 2019

Sobre



Sobre a página da vida
Meus sonhos vou desenhar
Quero cores bem vivas
Pra eu poder me expressar
A cada cor quente desejo
Passar o meu calor
E nunca deixar que a tristeza
Apague o meu valor
Espero manter a esperança
Que brilha no olhar contente
De uma bela criança
Que vive a encantar a gente
CatiahoAlc./Reflexod'Alma

Canção com Toni Garrido 
e Sandra Sá 
 
Brincando com minha
Imagem em forma de estudo.

















segunda-feira, 15 de julho de 2019

Palhaço Poeta em: Pelo Sim ou pelo Não...

muito se vem cogitando colocar atrás das grades aqueles que nos importunam com assovios, galanteios de má qualidade ou com olhares demorados pro lado da gente.  
Eu mesma andei aplaudindo as mulheres que levam adiante essa ideia, mas depois  da lei assinada eu confesso que até pagaria para que repensassem a questão,  não por eu já ter deixado de usar minhas saias curtas e maravilhosas que comprei para usar com as calcinhas que puxam pra perto da nuca a bunda de quem tem 30 anos ou mais como eu e muito menos por ter deixado de ir à academia para endurecê-la.   
Depois dessa lei descansei das caminhadas até onde os peões da construção civil descobriam qualidades que nem eu mesma  sabia que tinha.  Não nego que ficava puta com eles largando o trabalho só pra dizer gracinhas que a gente só entendia quando chegava a casa. Ai eu, particularmente, confesso que morria de rir com a “tirada” dos caras.  Não vou dizer que a vida sem os olhares gulosos dessas pessoas tiraram a minha vontade de vestir belas roupas quando vou trabalhar ou fazer um passeio sozinha ou acompanhada de amigos, mas, quer saber a verdade; sinto falta daqueles caras que eu mesma cansei de chamar de cafajeste, tarado e outras palavras que não devo dizer aqui e que já fazem falta no cotidiano da gente.  Esse tipo de pessoa há muito se tornou um espelho aonde a gente nem precisa olhar pra saber que as pernas estão bonitas, o cabelo penteado, a roupa moldada ao corpo, enfim, se a gente é ou está gostosa naquele momento. 
 Acho até que nos precipitamos cortando a língua e fechando os olhos daquelas pessoas que nos empurravam para cima e para frente num mundo tão preconceituoso e difícil de viver como o nosso.

Canção Mulher Brasileira
com o friburguense Benito de Paula

Um pouco sobre Benito di Paula
NOTA DA EDITORA DESTE BLOG (CatiahoAlc.)
ESTE DADOS FORAM TRAZIDOS (COPIADOS) DIRETOS  DA FONTE SOBRE O CANTOR BENITO DE PAULA:https://pt.wikipedia.org/wiki/Benito_di_Paul

Uday Vellozzo obteve fama nacional como Benito di Paula, tendo tornado-se um dos grandes nomes da canção brasileiro dos anos 70.Foi crooner de boates do Rio de Janeiro, e depois continuou tocando na noite paulistana.Iniciou carreira pela gravadora Copacabana no início dos anos 70. O seu estilo musical é conhecido como "samba-jóia", ao combinar o samba tradicional com piano e arranjos românticos e jazzisticos.
O seu primeiro disco "Benito Di Paula" de 1971 foi censurado por trazer a música "Apesar de Você" de Chico Buarque.
 O seu segundo LP "Ela" também não trouxe grande êxito. Mas estourou nas paradas de sucesso com o terceiro "Um Novo Samba", em cuja capa já aparecia com sua longa barba e cabelos além de correntesbrincospulseiras etc.. O grande sucesso desse disco foi a música "Retalhos de Cetim".
Teve inúmeros sucessos ao longo de sua carreira como "Retalhos de Cetim", "Charlie Brown", "Vai Ficar Na Saudade", "Se Não For Amor", "Amigo do Sol, Amigo da Lua", "Mulher Brasileira" e "Ah! Como Eu Amei". É o quarto maior vendedor de discos da história do Brasil com cerca de 60 milhões de cópias vendidas, somente ficando atrás de Roberto CarlosNelson Gonçalves e Teixeirinha. Chegou nos anos 70 a disputar a venda de LPs juntamente com Roberto Carlos, tendo composto muitas músicas para este.
Possui mais de 35 discos gravados, tendo parte importante de sua obra relançada em CD devido ao seu tão grande êxito. Chegou a fazer sucesso em nível internacional como no MéxicoJapãoEstados Unidos e sobretudo na América Latina
Após 10 anos sem gravar, Benito lançou em 2009 pela EMI Music seu segundo CD e primeiro DVD ao vivo gravado no Vivo Rio e que traz seus maiores sucessos, como "Retalhos de Cetim", "Sanfona Branca" e "Charlie Brown".
Em outras mídias
Benito comandou o programa "Benito di Paula e seus convidados - Brasil Som 75" na TV Tupi em 1975.
No meio literário[
Teve parte de sua trajetória contada no livro "Eu Não Sou Cachorro Não" do historiadorjornalista e escritor Paulo Cesar de Araújo
No segundo semestre de 1997, iniciou-se como um escritor ao publicar o livro de contos "Cantos e Contos do Benito di Paula".
FONTE SOBRE O CANTOR BENITO DE PAULA:https://pt.wikipedia.org/wiki/Benito_di_Paula
------------------------------------------------------------------------
Imagens 
 Nova Friburgo/RJ/Brasil















sexta-feira, 12 de julho de 2019

Corpo Teu


Teu Corpo
Que não conheço de Ver
Porém apenas no sentir e Imaginar
Que nunca de fato Toquei
Mas que o aroma me cerca sem Negar
Sonho me perco nos Devaneios
Sem nem mesmo teu sexo Provar
Loucura essa coisa de Querer
Desejar pelo menos Tocar
Não importa que dia Seja
Se há outras em a esse Corpo
Sem reserva poder Saciar
Faz  tempo os conceitos Deixei
E que o Certo 
Ou o Errado  
 não Impedem 
Teu corpo junto no Meu
Por um pouco Ansiar
Teu corpo é que Quero
É por ele que Vou
Esperar
CatiahoAlc./Reflexod'Alma

CANÇÃO COM RAFINHA MUSIQUINHA

POESIA EM IMAGENS 
RAPADURA COM POESIA







segunda-feira, 8 de julho de 2019

silvioafonso: O RIO E O MAR...

Agora quem sente a sua força sou eu.
Nunca me esqueci que sou perigoso como um grande rio que
arrasta o que lhe cai nas águas. Sou volumoso, devastador.
Eu crio as minhas limitações, eu forço as margens e me jogo
do jeito que eu quero sobre o velho oceano.
Sou de águas claras, sou de águas escuras. Sou transparente
ou sujo, eu sou do bem ou sou do mal depende de você. Sou
profundo as vezes raso, mato a sua fome, tiro a sua sede ou
lhe arrebato a vida.
Só que eu estou preso nas paralelas de minhas margens. Corro
quando posso sempre no mesmo sentido e serpenteio mesmo
sem querer. Recebo, às vezes no meu leito coisas que nem
sempre é do meu gosto e morro nos braços de um ancião que
me viu nascer, me viu crescer e me abençoa com suas salgadas
águas na hora da minha agonia.

CANÇÃO
IMAGEM





segunda-feira, 1 de julho de 2019

É Julho! Viva! E Vamos à Luta

  Sim! Viva a mais esse novo mês que tem início em uma segunda feira! É o mês que aprendi a  reverenciar meus poucos e suficientes amigos ao longo da minha vida, eles me fazem acreditar no ser humano e na capacidade de aprendermos uns com os outros, de nos aceitarmos como somos e assim sem promessas nutrirmos saudáveis e relacionamentos longos. Vocês sabem o quanto são importantes na minha/nossa vida.
     É o mês que em 2006 nossos dois filhos partiram para Arabia Saudita  na 1a viagem a trabalho Artístico Circense.
Sim eu gosto especialmente de julho pois é o mês que  escolho para o Espelhando nascer.
E também porque é o mês que uma Moça especial na minha vida e na vida da minha família 
faz aniversário.
Em fim é um mês de celebração Sim!
Nessa publicação vamos ouvir e conhecer um pouco de Gonzaguinha, suas canções me dizem muito.
CatiahoAlc.
VIVA!

E viva ao sorrir
cantar e
dançar
Que seja nossa vida um
 constante celebrar
E quando e se não houverem motivos
não deixemos de inventar
Vivamos pois agradecidos 
olhando sempre o melhor
dessa vida maravilhosa
que nos brinda com seu calor
Pois mesmo em dias frios 
o coração da gente se agita
aquecendo nosso viver
pois viver é uma dádiva 
e viver bem e com alegria 
é o que aos outros contagia
e nos renova o vigor
CatiahoAlc./Reflexod'Alma


Uma Canção  Especial na minha vida
e um pouco do artista brasileiro Gonzaguinha
E Vamos À Luta



Biografia
No VI Festival Internacional da Canção Popular.
Gonzaguinha era filho registrado, mas não naturaL, do cantor e compositor pernambucano 
Luiz Gonzaga e de Odaleia Guedes dos Santos, cantora do Dancing Brasil.
Compôs a primeira canção "Lembranças da Primavera" aos 14 anos, e em 1961, com 16 anos, 
foi morar no bairro de Cocotá, na ilha do Governador, com o pai para estudar. Mais tarde,
 estudou Economia na Universidade Cândido Mendes. Na casa do psiquiatra Aluízio Porto Carrero 
conheceu e se tornou amigo de Ivan Lins. Conheceu também a primeira mulher, Ângela, 
com quem teve 2 filhos: Daniel e Fernanda. Teve depois uma filha com a atriz Sandra Pêra,
 a atriz e cantora Amora Pêra.
Foi nessa convivência na casa do psiquiatra, que fundou o Movimento Artístico Universitário (MAU),
 com Aldir Blanc, Ivan Lins, Márcio Proença, Paulo Emílio e César Costa Filho. Tal movimento teve 
importante papel na música popular do Brasil nos anos 70 e em 1971 resultou no programa na TV Globo Som Livre Exportação.
Caracterizado por uma postura de crítica à ditadura, foi visado pelo DOPS. Assim, 
das 72 canções mostradas a esse órgão, 54 foram censuradas, entre as quais o primeiro sucesso,
 Comportamento Geral. Neste início de carreira, a apresentação agressiva e pouco agradável aos 
olhos dos meios de comunicação valeu-lhe o apelido de "cantor rancor", com canções ásperas,
 como Piada Infeliz e Erva. Com o começo da abertura política, na segunda metade da década de 1970, 
começou a modificar o discurso e a compor canções de tom mais aprazível para o público da época, 
como Começaria Tudo Outra Vez, Explode Coração, Grito de Alerta, Lindo Lago do Amor e O que É o que É,
 e também temas de reggae, como Nem o Pobre nem o Rei.
As composições foram gravadas por muitos dos grandes intérpretes da MPB, como Gal Costa, Maria Bethânia, Zizi Possi, Simone, Elis Regina (Redescobrir ou Ciranda de Pedra), Fagner, e Joanna. Dentre estas, destaca-se Simone com os grandes sucessos de Sangrando, Mulher, e daí e Começaria tudo outra vez, Da maior liberdade, É, Petúnia Resedá.
Em 1975, dispensou os empresários e tornou-se um artista independente, o que fez em 1986 fundar 
o selo Moleque, pelo qual chegou a gravar dois trabalhos.
Nos últimos doze anos de vida, Gonzaguinha viveu em Belo Horizonte com a segunda mulher 
Louise Margarete Martins (Lelete) e a filha deles, a caçula Mariana.
MortE
Gonzaguinha morreu aos 45 anos em 29 de abril de 1991, vítima de um acidente automobilístico. 
Ao regressar de uma apresentação em Pato Branco, no Paraná, o cantor dirigia um Monza por volta
 de 7h20 da manhã em uma rodovia no sudoeste daquele estado, quando colidiu com um caminhão.
Gonzaguinha estava se dirigindo para Foz do Iguaçu, de onde seguiria de avião para Florianópolis, onde tinha um show agendado.[8]
Homenagens
Em 2017, Gonzaguinha foi tema do carnaval da Estácio de Sá, no Rio de Janeiro, com o enredo 
"É! O Moleque desceu o São Carlos, pegou um sonho e partiu com a Estácio!".
 A Estácio era a escola de coração do cantor, nascido no Morro de São Carlos, bairro Estácio, 
no Rio de Janeiro.
A escola de samba Império Serrano escolheu como enredo para seu desfile no Grupo Especial em 2019, 
o sucesso de Gonzaguinha O Que é, o Que é?, usando a canção também como o samba-enredo, 
num recurso inédito no carnaval carioca.
 IMAGENS DO VERDE A COR DE MINHA ESPERANÇA















Venho aqui e Olho pro amanhã dessa forma: com ALEGRIA!

Venho aqui e Olho pro amanhã dessa forma: com ALEGRIA!
Já caminhei muito tempo sem me dar conta do quanto é importante o que eu sei, quero e posso. Passei muio tempo dando prioridade a todos ao meu redor. Daqui pra frente meu olhar obedece a uma nova perspectiva, pois minha palavra de ordem é ALEGRIA.Não quero e não vou viver mais um segundo sem esse ingrediente essencial.. Experimentem e depois de contem o resultado. CatiahoAlc, terça feira 05 de janeiro de 2015

Eu sempre entre meus sonhos realizados e meus delírios incessantes...

Eu sempre entre meus sonhos realizados e meus delírios incessantes...