Web Statistics

Minhas Frases preferidas desde sempre:

"A felicidade de um amigo deleita-nos.

Enriquece-nos. Não nos tira nada.

Caso a amizade sofra com isso, é porque (ela a amizade)

não existe."

Jean Cocteau

...

"Saudade é a nossa alma dizendo para onde ela quer voltar."

Rubem Alves

Seres Espelhados Espalhando Sonhos e Delírios como eu

Translate

OBSERVAÇÃO NECESSÁRIA

LEITORESAMIGOS, Vocês já devem ter notado que as Publicações no Espelhando são compostas de mais de um item: Um Texto - Uma Can Cão - uma Poesia - IMagens. Deixo claro que: 1- Sou a única responsável pelas publicações 2- e seus conteúdos. 2- OS Itens das Publicações é para que CADA UM AMIGOLEITOR SÓ LEIA O QUE DESEJAR: OU O TEXTO (CON VERSA) OU A POESIA (COM VERSOS) OU OUÇA A MÚSICA (CAN ÇÃO) OU AS IMAGENS (FOTOS). CONTO COM A COMPREENSÃO DE VOCÊS QUERIDOS LEITORESAMIGOS CatiahoAlc.

domingo, 30 de setembro de 2012

Dilúvio


Às vezes gostaria ser um chip
Aquele da operadora Y deu defeito...
Joga-se fora e perde-se tudo
Ou mesmo um HD
Guarda-se tudo, até a vida na memória...
Deu defeito não há como recuperar
Perde-se todo os dados.
Olhando para o âmago de uma vida
Surpreendemo-nos às vezes
Por encontrar, amargura,
Tristeza, frieza gélida...
Exatamente por não sermos
Estas benditas máquinas.
Por outro lado quando deparo-me
Com almas ávidas, generosas...
Faz-me acordar de um torpor
E olhando bem no fundo de seus olhos
Vejo que a vida pulsa freneticamente
Em um compasso de alegria e esperança
Só assim sinto que estou vivo
E vivo para ser feliz e fazer você feliz.

"O RECUPERADOR DE TEMPO"


Introdução


Poderá o tempo passar sem que o ser humano olhe para trás e, num estado refletivo e consciencioso, se predisponha a recuperar algo perdido no passado que, irremediavelmente, não tenha possibilidade para o alcançar?

       Esta é a história de um homem que, incansavelmente, luta contra o tempo perdido da sua vida de futilidades. Já numa idade avançada, reconhece que, mediante uma vida despreocupada, pouco ou nada contribuiu para o bem-estar da sua existência!

       Depois de muito se debater com a sua postura boémia, uma forma de estar na sociedade, descobre a “fórmula de recuperação de tempo”.

Uma viagem, às mais ínfimas opções de vida, passando de homem solitário a salvador da humanidade!

Esta história de ficção, levando-nos às entranhas do imaginário, passa a mensagem da brevidade da vida; tão breve que, muitas vezes, o ser humano perde tempo com coisas que, afinal, nem chegam sequer a ser coisa alguma!



                                                                   O autor
                                                           Quito Arantes/Portugal
Livro a editar pelo próximo Natal

Aconchego















Na onda noturna - barulhinho
respiração cadenciada - soninho
sonho livre - passarinho
no colo dela - só ninho.

RELÍQUIAS POÉTICAS


RELÍQUIAS POÉTICAS

Tesouros infindáveis, de valores
Incalculáveis na literatura;
Poesias e sonetos nos dão cores
Alegres numa noite linda e escura;

Esmeraldas, diamantes, virgens flores;
Tudo é tema que vira uma rasura…
Mais tarde uma poesia onde os amores
Se derramam como o mel da frescura;

As linhas esculpidas por palavras
São linhas que julgo eu serem tão raras
No mundo de hoje onde a poesia é vida;

Somos poetas buscando a fantasia…
Lapidando as palavras na poesia
Que envelhecerá sem ter sido lida;

Excesso de e-mail no trabalho cousa estresse


Sobrecarga de e-mails no trabalho aumenta estresse, diz estudo.
Trocar muitos e-mails prejudica rendimento no trabalho e causa estresse no funcionário.

O excesso de e-mails nas empresas está relacionado com o aumento de estresse dos trabalhadores, assim como com a perda de produtividade das companhias, alerta um estudo da Universidade Católica de Louvain, na Bélgica. "O excesso de e-mails e de informação em geral acarreta riscos sociais e psíquicos para os empregados e empobrece a empresa", disse nesta segunda-feira (10) a professora responsável pela pesquisa, Caroline Sauvajol-Rialland.

Os spams, as newsletters e as mensagens eletrônicas internas contribuem para a saturação dos trabalhadores que, ao chegar a cada dia no trabalho, precisam organizar todos as informações. A pesquisadora adverte que o fenômeno da "infobesidade", termo popularizado em 1970 pelo escritor americano Alvin Toffler em seu romance Future Shock, representa uma ameaça tanto para a qualidade de vida dos trabalhadores como para a produtividade das empresas. 

Segundo Caroline, mais de 90% das pessoas com responsabilidades nas empresas acreditam que o fluxo de informação que administram é excessivo. Deste total, 70% admitem que estão saturados de manejar tais dados. A "sobrecarga de informação" provoca, também, interrupções a cada sete minutos aproximadamente, e cada trabalhador usa 30% de sua jornada de trabalho para atender chamadas ou responder a e-mails que cada vez mais exigem imediatismo, o que faz o próprio empregado contribui para o aumento de troca de informação, explicou Caroline.

"Se um trabalhador passa tanto tempo administrando as mensagens, essa atividade pode chegar a se sobrepor à atividade principal da empresa", disse Caroline.

Nesse momento, as novas tecnologias criadas para tramitar de maneira mais simples e eficaz o fluxo de informação estariam tendo o efeito contrário. "Algumas empresas oferecem treinamento especial para seus funcionários sobre como usar novas tecnologias para gerenciar de forma eficiente a informação", afirmou Caroline.

Algumas empresas, inclusive, chegaram a propor que seja proibido receber e-mails no período pós-trabalho. "É preciso reconhecer o direito ao intervalo", defende a pesquisadora, para quem o uso de computador ou outros dispositivos móveis para receber mensagens da empresa fora do horário de trabalho "aumenta o estresse" e "mina" a produtividade da companhia. 

Fonte: EFE



sábado, 29 de setembro de 2012

O Aprendizado do Trabalho em Grupo


O professor pode ensinar a turma a cooperar, escolher e decidir ao mesmo tempo em que dá conta dos conteúdos das disciplinas
Na família e na vida profissional e social, é preciso saber se expressar, consultar, questionar, fazer planos, tomar decisões, estabelecer compromissos e partilhar tarefas. Essas ações, envolvendo aspectos práticos, éticos e estéticos, podem ser relativamente simples, como é o caso de escolher o que preparar para uma refeição ou um trajeto. Outras vezes, são complexas, como estabelecer prioridades num orçamento e atribuir responsabilidades na realização de um projeto. Na escola, atividades em grupo qualificariam para desafios como esses, tão necessários na vida social. Mas isso frequentemente esbarra em obstáculos.
"Para promover a autonomia, é preciso propor à classe atividades coletivas mais estruturadas do que as aulas expositivas."
Quem acha que o papel do professor é só "passar" conhecimentos talvez veja a aprendizagem ativa e interativa como um devaneio teórico ou como ilusões de certas propostas pedagógicas. Isso, na prática, reduz o ensino à instrução individual em massa, quando as classes não são coletivos de trabalho cooperativo. Essa visão leva a uma prática em que só o professor tem a palavra e a interação dos estudantes é desprezada. Por isso, as turmas são simplesmente reunidas - não se pensa em construí-las. Atitudes dessa natureza, aliás, têm o respaldo de famílias que veem um convite à diversão quando se abre espaço à participação dos filhos.
Já quem reconhece a importância dessa participação ativa e interativa e se dispõe a promovê-la em situações reais enfrenta bem o desafio de colocá-la em prática mesmo em classes numerosas - como mostrou a reportagem Como Agrupo Meus Alunos?, capa da edição de março de NOVA ESCOLA. Para promover a autonomia, não bastam materiais didáticos e um professor protagonista. É preciso propor à classe atividades coletivas mais estruturadas do que as aulas expositivas, pois todos devem estar motivados e conscientes do sentido delas.
Para isso, cabe ao professor atuar com seus colegas e com a coordenação pedagógica, aliás, com a mesma dinâmica que pretende propor em sala de aula. Além de se perguntar "de que forma a atividade em grupo melhora o ensino da minha disciplina?", é necessário formular outra: "De que forma minha disciplina pode promover nos grupos a aprendizagem cooperativa?" Sim, é possível também ter a disciplina a serviço dessa formação coletiva e não apenas o inverso. Com isso, tem-se o foco na aprendizagem e no desenvolvimento da turma, não somente no ensino de conteúdos.
É claro que nem tudo deve ser feito de forma coletiva, pois são igualmente essenciais a exposição do professor e tarefas individuais de crianças e jovens, mas é preciso compor esses momentos articulando com coerência as ações pessoais e coletivas. Essa construção conceitual e afetiva depende do trabalho em grupo, em que se desenvolvem afinidade e confiança, identificam-se potencialidades e aprende-se com os demais. Com a diversificação do planejamento, são contempladas as diferentes necessidades e propensões dos alunos. Não só na rede pública, mas especialmente nela, os mais beneficiados por essa construção são os que vêm de contexto cultural limitado, sem outras oportunidades que não as da escola para a sua emancipação.
As boas escolas desenvolvem práticas apropriadas a cada faixa etária. Isso porque é bem diferente desenvolver conteúdos de instrução em atividades cooperativas se for uma classe de alfabetização com professora única ou se for uma sala de adolescentes com vários professores de disciplinas. Mas a prática faz sentido desde a Educação Infantil até a pós-graduação. Aliás, logo mais estarei com quase 40 mestrandos, que não esperam minha chegada para começar a aula. Já estarão discutindo as leituras da semana em seus grupos de referência. Atitudes semelhantes podem ser encontradas em diferentes cursos, famílias e empresas, mas sempre em coletivos que valorizem a autonomia e a cooperação.
Fonte: revistaescola.abril.com.b


domingo, 23 de setembro de 2012

Solitário


http://lampejospoeticos09.blogspot.com.br/
Duas coisas irrefutáveis que andam de braços dados: a morte e a solidão.
 Conheço muitas pessoas que falam serem solitárias ou que se bastam. Estão na verdade, caminhando pelo deserto a quilômetros de encontrar um oásis e a milímetros da morte.
 Freqüentemente vemos e lemos de suicídios consentidos, não que o indivíduo não tenha pessoas a seu redor, a ingerência da vida juntando com a incapacidade mental, física e orgânica é tão grande fazendo uma barreira entre o quere-se e o deixar-se querer.
 Ficando insensíveis e anestesiados para a vida.
Os que falam serem solitários e vivem sozinhos, não tem sequer o meu respeito, pois estão cavando um imenso buraco para colocarem-se dentro.
Como acreditar e ter confiabilidade em alguém que se diz solitário? Como ler este tipo de indivíduo?
Se ele está expondo no papel pensamentos que outrem lêem? Incoerência ou infantilidade, quando nos isolamos de tudo ou de Temo estado dando permissão para que o nosso corpo reaja negativamente dando sinais de falência, começando assim a degringolar tudo que está à volta, entregando-nos a hábitos novos para suprir a necessidade de convivência.
O ser foi feito para compartilhar.
Já no Éden o Criador, detectou que o homem não poderia ficar só, ao seu redor tinha vegetação e animais; mas criou para o homem uma pessoa  para trocar idéias e caminhar no mesmo sentido. Nada contra, mas é certo que foi um animalzinho de estimação como indivíduos trocam humanos por animais irracionais preferindo a tal solidão, formalizando aí uma patologia irreversível.
 Caminhando pela orla da praia deparo-me dentre tantas com uma situação um tanto curiosa: seguia pela orla uma linda senhora e seu cachorrinho, esse calçando sapatinhos, quando o animal fez suas necessidade, ela pegou a caca, tirou um lenço umedecido e limpando o rabo do animal, falou: “agora o neném da mamãe está limpinho” e seguiram o “passeio”.
Perdemos não para as drogas ou bebida ou para qualquer coisa que controle o homem, mas sim para um deserto de solidão.
Perdemos um ente querido recentemente, foi triste e incomodativo como aconteceu. E como diz uma poeta conhecida, Catiaho “Em um maracanã cheio, pode-se estar absolutamente sozinho”.
 Neste caso o ser, encontra-se à beira do suicídio consentido do solitarismo e da morte.
 Por isto falo que solidão e morte vivem atrelados, caminhando juntos.
Portanto; vivamos o hoje para termos um passado com um futuro desconhecido que poderá vir feliz, na certeza que cumprimos o dever de sermos felizes,
não sendo incompetente para gerenciar nossa curta vida.
ALCLEIR ALCANTARA - LAMPEJOS POÉTICOS – 23/09/201



http://lampejospoeticos09.blogspot.com.br/

Cadê Tereza?



Cadê Tereza?
Tereza trocou
de barraco 
desceu o morro 
te abandonou 

Estuda à noite 
faz supletivo 
arrumou um trabalho 
é Fundamental 

Tereza – reza 
reza com pressa 
está atrasada 
não tem essa 
é domestica 
é normal 


Cadê Terê? 

Tereza 
que não é Batista 
que não está cansada 
enfrenta a batalha 
é diarista 
todos os dias 

Terê não volta 
malandro! 
trabalha de dia 
numa boutique 
quem diria! 
ela é a tal 

Cadê ela? 

Ela sobe o morro aos sábados 
gosta de samba - é bamba 
estuda historia da arte 
não encana – está bacana 
frequenta vernissage 
no meio de semana 

Cadê? 
Cadê Tereza? 

Tereza! Malandro... 
foi à luta 
não tá na sua 
te abandonou. 

Mulher de verdade 
enfrenta a diversidade 
aprendeu a gritar 
contra a desigualdade 


Cadê? 

Ela tá aqui, tá ali 
tá em todas as partes 
ela cresceu, malandro 
canta, dança, faz arte 

Tereza é Doutora/Escritora 
Professora de pós graduação 

Cadê Tereza? 

Tereza se foi 
ela quer mais 
te deu um tchau 
te abandonou


Malandro!!!!!!

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

REPUBLICADO AQUI EM 28 DE ABRIL DE 2020

SEM MEDO. SEM PUDOR.

O assédio se deu faz tempo. Nunca, em tempo algum, um homem se viu tão pressionado por uma mulher como aconteceu com aquele moço; boa estatura, bem falante e boas maneiras.  O assédio em questão não tinha o propósito dos amantes, mas de escrever aonde a tal mulher achasse que devesse. Sempre que o encontro literário se fazia uma bandeja repleta de vantagem a eles se estendia, não só para os dois, como também para o mundo das letras a que ela pertencia. A palavra Não, talvez fosse dele o último balbucio, mas quem sabe ele sofresse mais que ela se ouvisse.  Foi como água gotejante que do gelo a camada se desfez. Caiu no mar. Encobriu as praias. Fez sofrer e fez chorar. Matou quem tinha vida e os sonhos que surgiam, mas não cedeu aos caprichos de quem torcia contra. Digna e perene escreveu no rodapé da vida o nome dela, mesmo que sob o dele, mas com a força da fêmea que protege a cria  e com a doçura do beijo dos colibris.
Hoje ele escreve o que ela quer e aonde ela acha que precisa, e ao sabor das palavras ela se realiza com os espaços que conquista, mas não se envaidece com o próprio poder que persuade, faz gritar e faz calar. 
silvioafonso

12/03/1200:00

.

Ei!

O que estou escrevendo aqui NÃO É PESSOAL E NÃO SE

REFERE A NINGUÉM DA VIDA VIRTUAL E SIM DOS MEUS VIZINHOS

DE BAIRRO, OK?

Escrevo aqui para me expressar somente. Penso que estamos vivendo mais um dia e que devemos ser gratos a Deus e aproveitarmos todo aprendizado que esse dia nos trouxer. Devemos: usar máscara, mesmo os já vacinados , usar álcool gel, lavar as mãos ao chegarmos da rua, deixarmos os sapatos do lado de fora até serem limpos, evitarmos contato físico com pessoas que não vivem no mesmo recinto, evitar viajar (sem ser necessário) viajar a lazer nem pensar, não é hora de lazer, ainda que secos para tal estejamos. Eu ando com muita saudade dos meus amigosafilhados, das minhas irmãs e meu cunhado e de ver minha casa no RJ que está fechada desde janeiro de 2020, quando lá estive. Uma coisa tem me chamado muito a atenção: Parece que já terem sido contaminados e terem sobrevivido e a possibilidade da vacina, já deu a algumas muitas pessoas a ideia de estarem totalmente livres de contaminação, bem como os que já tomaram a vacina e passaram a ficar descuidados. Isso me preocupa muito. Estou reclusa em casa com meu marido e filho caçula há mais de 1 ano, vejo muito pouco meu filho mais velho, esposa e filhas que moram na cidade vizinha. Detesto não me sentir livre para ir e vir e mesmo para caminhar na orla que fica ha 3 ruas da minha casa. Vamos resistir mais um pouco, vamos preservar nossa saúde física e mental o mais que pudermos. Por hoje é o que eu penso; caso entendam que eu esteja errada: me perdoem. Bjins de bons dias a todos. CatiahoAlc.

Postagens mais visitadas

Atua LIz Ações