Web Statistics

Minhas Frases preferidas desde sempre:

"A felicidade de um amigo deleita-nos.

Enriquece-nos. Não nos tira nada.

Caso a amizade sofra com isso, é porque (ela a amizade)

não existe."

Jean Cocteau

...

"Saudade é a nossa alma dizendo para onde ela quer voltar."

Rubem Alves

Seres Espelhados Espalhando Sonhos e Delírios como eu

Translate

OBSERVAÇÃO NECESSÁRIA

LEITORESAMIGOS, Vocês já devem ter notado que as Publicações no Espelhando são compostas de mais de um item: Um Texto - Uma Can Cão - uma Poesia - IMagens. Deixo claro que: 1- Sou a única responsável pelas publicações 2- e seus conteúdos. 2- OS Itens das Publicações é para que CADA UM AMIGOLEITOR SÓ LEIA O QUE DESEJAR: OU O TEXTO (CON VERSA) OU A POESIA (COM VERSOS) OU OUÇA A MÚSICA (CAN ÇÃO) OU AS IMAGENS (FOTOS). CONTO COM A COMPREENSÃO DE VOCÊS QUERIDOS LEITORESAMIGOS CatiahoAlc.

domingo, 27 de setembro de 2020

Dança das Mãos. Conversa com Artista 3 -WK Mundo


Mãos...
A mão estendida e espalmada espera já por algum tempo que uma outra dela se aproxime.
Então depois de algum tempo de uma espera até mesmo angustiante
e solitária chega ao final quando uma outra mão vai se aproximando até que se encontram.
A magia que acontece é algo extraordinário porque as mãos se tocam levemente desvendando um universo desconhecido como textura da pele, acabamento das unhas, divisas de cada dedo, linhas que desenham o centro das mãos.
E assim prosseguem até que as costas das mãos se tocam, sentem os pelos e uma linda dança se faz e se refaz a cada instante até que...
as duas se encontram definitivamente de forma coesa e assim de uma forma deliciosamente encantadora se entrelaçam fortemente tão tocante 
que não precisam mais estar próximas para serem vistas juntas.
Elas apenas são apoio mutuo.
Beleza na junção.
Leveza no toque suave.
E agora essas mãos não vivem uma sem a outra dependem-se mutuamente.
São mãos de poetas que amam
e se amam e que não só as usam para escrever como também para transcrever sentimentos que captam da alma e para acariciar seus amores 
e oferecerem-se a outras mãos que passarem por seus caminhos.
Apenas
Mãos entrelaçadas que se encontraram no ato da criação do ser.

                                                        
Mãos!
Mãos.
Mãos ...
Apenas lindas 
Mãos.
                                                        CatiahoAlc./Reflexod'Alma
                                                                          2002082052
                                                                                                                     n           290220080000 




IMAGENS DAQUI DE PASARGADA






domingo, 20 de setembro de 2020

A VIDA... #02 WkMundo conversa 2



 A imensidão do azul do céu tem o seu tamanho. O brilho vivo
da luz que do sol emana tem o seu sorriso.
A paz da noite estrelada tem a cor do seu olhar.
No sorriso da criança pobre que feliz no portão recebe o pai, tem
a esperança e na chance que o ser humano vê em ser eterno
sente a sua compreensão e a sua fé. Você Teresa é o mundo de
Deus e a vida do seu povo.


ENTREVISTA 2

#Projeto #WkMundo
#02 WkMundo conversa com Fabio Bunito



CANÇÃO COM 
TEATRO MÁGICO




quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Saudade coisa a toa

 

O Resultado
 da Soma do
 Tic-tac
Escorrega tão
lentamente
deixando marcas e
 peso
de saudade
Restando
somente
ocupar os 
dias
preenchendo com
risos
e pilherias
essa espera
quase
torturante
Saudade da troça,
do
gargalhar farto,
solto
sem compromisso
com 
o falso ou
 verdadeiro
Palavras de
encanto
pilherias
 risos
sorrisos
somados resultam 
a
 mais pura
e
simples
Saudade
CatiahoAlc./Reflexod'Alma
04120130822

CANÇÃO
COM JOÃO GILBETTO
CHEGA DE SAUDADE

IMAGENS
MINHAS MANHÃS
CAMINHANDO POR UMA HORA





ENTREVISTA COM ARTISTA


Sou Wallace Kyoskys e nessa pandemia consegui me reeguer conversando e compartilhando com os amigos artistas as dificuldades e soluções .
Com isso eu criei um projeto pessoal chamado
  "WkMundo Conversa com", onde eu troco essa experiência com personagens bem próximos a nós . 
#01 WkMundo Conversa com Julia Campos 






segunda-feira, 14 de setembro de 2020

DOSE PRA CAVALO (lado 2) - Conversa - Canções - Entrevista


Fui convidado para uma festa de aniversário na casa de um professor e em se tratando de festa estou dentro, a não ser que eu esteja de plantão, como estava naquele dia. Jamais faltaria ao trabalho se a festa não fosse pra filha dele, uma jovem baixinha e gordinha que dava pra todo mundo, menos pra mim. Fui apresentado a duas mulheres, mãe e filha.  Uma eu já conhecia de outras visitas que fez a irmã, mas a filha... que mulherão e eu não ia perder a oportunidade de esfregá-la na cara da aniversariante caso a gente ficasse, pelo menos era minha a roupa que ela tirava com os olhos quando a pegava me olhando. Parecia um girassol se abrindo pra mim. A mãe eu pegava quando vinha visitar a irmã, mas a filha... Gente, como é gostosa a bandida.  Sim, bandida, porque usa aliança na mão esquerda. A maior parte da festa a gente se comida com os olhos. Quando parecia que a festa ia acabar eu a chamei para um brinde e não é que ela veio... Eu não cabia em mim de nervoso e pelo que pude notar, ela também não estava à vontade, mas aceitou meu convite. Na varanda brindamos umas duas vezes e as outras brindamos no jardim onde a beijei.  Depois fomos aos fundos da casa onde, na garagem, lambi seu pescoço, seu colo e mordi sua boca. Chupei-lhe a língua e fiz com as mãos o que ela me deixava fazer. Imprensei-a encontra a parede e sem tirar minha boca da sua a fiz gemer de prazer.  Talvez fizesse com ela o que gostaria fazer com a dona da festa.  E ela esperneava como potranca esperneia no meio das pernas de um campeão de rodeio. Talvez  o espaço fosse apertado para um cara do meu tamanho, mas depois que relaxou tudo se resolveu. Eu acho que relinchei umas duas vezes enquanto ela, coitada, talvez quatro ou cinco, não sei.  Acho que ela me via como o animal que eu era enquanto eu a tratava como ela merecia.   Isso me lembrou a mãe quando, antigamente, vinha do Rio para que eu fizesse o que a filha acabou de me deixar fazer. O problema era o dia seguinte.  Levantar até conseguiam, mas andar que era bom, não andavam.  Parece que é o meu tamanho que as deixam inchadas, sei lá.  Confessar não confessam, mas  eu sei que é esse meu tipo grandão.

CONVERSA


Queridos Amigos Leitores,  vou caminhar daqui a pouco pois por aqui temos sol e o dia convida para o exercício na beira da água, como gosto. Todavia, antes desejo deixar a publicação da semana em ordem. Setembro é um mês que amo por vários motivos, mas a chegada da Primavera me fascina. fiquem o ousado texto do Escritor Cronista paulista/carioca silvioafonso; que vocês já conhecem bem. E com   Canções dos The Feveres e uma sensacional entrevista que aborda o tema A Vida de um  Artista antes e durante a pandemia. Bjins e ótima nova semana para todos nós. CatiahoAlc.

CANÇÕES COM

THE FEVERS


WALLACE KYOSKYS ORGANIZA
 UMA SERIE DE ENTREVISTAS EM SEU CANAL
  ABORDANDO 
A POSTURA DA VIDA DOS ARTISTAS
DIANTE DA PANDEMIA


quarta-feira, 9 de setembro de 2020

Entrega e Conversa Ah!, para Gente.


As vezes 
adormeço 
e me entrego tão 
absolutamente a mim mesma
 que ao despertar 
tenho a certeza que 
minha vida acordada 
é apenas a sequência 
 de meus belos e 
mágicos sonhos.
Então, 
faço a mesma que coisa 
que faço ao adormecer: 
não resisto entrego.
Nunca me arrependi.

Catiaho Alc./ReflexodAlma
0305081055


PAULINHO MOSKA EM CHEIO DE VAZIO


PAULINHO MOSKA E CHICO CESAR
EM SAUDADE
Essa canção especial ofereço para
meus amigosafilhados.

IMAGENS ALEATÓRIAS
PRA PENSAR E DESCONTRAIR
Frase verdade

Frase reflexo
Depois de assistir o filme Origens Secretas 
achei essa frase
Só uma frase 
que me faz pensar
Frase Verdade
que eu faço questão
de praticar 

Mas num é?


CONVERSA

Ah!, para gente!                              Nos últimos tempos eu tenho me achado enlouquecendo ou melhor: tenho me visto em um mundo surreal, um mundo muito Salvador Dali. Não somente pela pandemia que se instalou no mundo e que paralisa pessoas, empresas e sistemas; mas  enquanto a política corre solta em off, porque esses trabalham a toque de caixa; enquanto as pessoas conscientes mesmo tomadas pela insônia não param(mos) de contar dias e noites, não param(mos) de fazer refeições e nem de nos ofenderem(mos) com o aumento dos produtos básicos nos supermercados e farmácias. E me parece que ninguém pode mais se quer despedir-se/mos de seus/nossos mortos. Enquanto isso, as crianças não pararam de ver seus programas e muito menos não pararam de crescer, só que muitas, longe de seus avós, tios(as), de seus primos(as) e de seus amigos; mas pararam de ir as escolas e o que faziam por cinco horas diariamente, agora  o fazem por uma hora duas vezes por semana e diante de uma tela. E nós e nossos amigos? Sim. Porque dos meus, aqueles dos quais me despedi no dia oito de março e que hoje não tenho a menor perspectiva do quando será possível nos abraçarmos novamente. Eu  confesso que me sinto de fato em um mundo totalmente surreal, ou seja um mundo onde a realidade está tão claramente esfregada na nossa face que até nos damos ao direito de duvidar. Usar máscara? Ficar em casa? Evitar lugares públicos? Deixar nossos idosos e os mais frágeis a salvo? Pra quê? O quer era ERRADO ficou CERTO por quase cento e conte dias. Mas agora o CERTO ficou e está ERRADO! ? Ah!, para. Melhor eu parar por aqui antes que meus olhos se encham de uma substância chamada lágrima e eu abra minha guarda para a tristeza e a decepção, aí quem vai adoecer serei Eu pois a tristeza me faz muito mal. Bjins e bom seguimento de semana a todos que por aqui passarem seus olhos. CatiahoAlc.


domingo, 6 de setembro de 2020

CADA QUAL NO SEU CANTO - O Fio




Bem, quem ouviu cantar os passarinhos, ouviu. Quem não

ouviu um dia os ouvirá. É sempre assim. O hábito de ouvir
cantar a passarada não cessa, não cala. Pode até ensurdecer
o canto que os ouvidos treinados com o trinado do cantor
jamais esquece o canto que se ouve de qualquer canto.
Aonde quer que ele se esconda certamente nos encantará.
Quero, agora, mais do que nunca rever os bem-te-vis depois
da chuva, voar por sobre os gaviões que envergonhados por
não saber cantar, fogem medrosos num voo confuso dos
bicos que cantam a marcha que a morte encerra. Canto dos
verdes campos aonde o amor dos pirilampos fazem seus
ninhos em tronco tosco. Aonde as borboletas com suas
cores enfeitam as flores e o arco-íris, só para convidar os
beija-flores a novos amores. Canta o vento no pinheiro. Entoa
os sambas-enredo o meu salgueiro. Entristece Wando ao
brasileiro, mas não cala o galo na madrugada no alto sapé de
um celeiro.



O Fio

O fio que te fez é o fio que me faz
Bem como o mesmo que nos refaz
 Enquanto em desejo um ao outro satisfaz

Este fio invisível
Em palavras indizíveis
 No coração em batimentos intraduzíveis

Eu que não busquei
Apenas enxerguei
 O que em palavras me ver fez

Sei quem sou
Sei ser possível por ser
 Quem é você que vejo ser

CatiahoAlc./ Reflexod’Alma

ESTUDOS
Imagens associadas a Poesia O Fio





CANÇÃO
POR TITÃS 
DE ROBERTO CARLOS
VERSÃO 
É PRECISO SABER VIVER







terça-feira, 1 de setembro de 2020

ÚLTIMO ROUND...

 

O campeonato rolava enquanto um promissor astro do esporte vibrava com os resultados que vinha tendo. Conquistaria a terceira posição com a vitória daquela noite e caso vencesse os dois últimos combates seria o campeão carioca de Muay Thai, da sua categoria. O aquecimento estava terminando quando uma jovem e bela mulher adentrou com seu filho. O menino, dizia ela, era seu fã  e desejava conhecê-lo.
– Meu filho é seu fã e queria muito poder abraçá-lo por isso o trouxe para vê-lo.  Espero não estar atrapalhando  – disse  enquanto o menino abraçava o atleta que na saída recebeu na face um beijo da moça. A visita desconcentrou o lutador a ponto de perder  não só a concentração como a luta daquele dia. Só o técnico não sabia o quanto havia mexido com ele aquela mulher. Era preciso saber o seu nome que nem de perguntar se lembrou.  Saber onde morava, se tinha marido e o que acharia de um homem mais jovem  se apaixonar por ela a primeira vista.    Com tais pensamentos não percebeu o cruzado que explodiu contra  sua cabeça.  O campeão balançou para um lado e  outro se livrando de golpes piores, mas não se livrou do joelho que o estendeu nocauteado na lona. Perdeu o combate e a possibilidade da disputa final. Perdeu o cinturão que só voltaria conquistar no ano seguinte quando venceria as lutas que teve.  Ainda não estava bem quando deixou o estádio, mas deu para ouvir quando lhe chamaram.  Mãe e filho corriam atrás dele gritando seu nome, mas como encará-los com a derrota vergonhosa que teve?  Palavras elogiosas e de conforto de um lado e desculpas esfarrapadas do outro até que ela fez a proposta.  
 – Não, obrigado, o ponto é aqui perto e o busão não demora – Disse em resposta  a carona que ela teria oferecido, mas não teve como negar quando a criança pediu.  Os  três foram juntos  pra casa dela onde lancharam e ela cuidou dos edemas do rosto dele. Conversaram sobre lutas, escola, futuro no esporte,  namoradas de um  e marido de outra. A noite ia alta quando ela pediu que ficasse.  Pedido atendido.  Criança no quarto com luz a pagada e os dois conversando noite adentro.  
Na madrugada um beijo acordou quem dormia.  Não um beijo cheio de volúpia e desejo, mas um beijo repleto de ternura. De um salto puxou o lençol sobre o dorso nu.  Na penumbra vislumbrou a silhueta de sua benfeitora. Pernas longas, roliças mal cobertas pela camisola branca que os olhos desvirginavam. Sem pensar nas consequências, puxou-a para si e a beijou com a coragem de um campeão.  Beijo seu pescoço, o colo, os mamilos que um a um tentava engolir.  Avançou com seus beijos até o seu ponto mais sensível e ali, tanto lutou e fez por onde que no princípio ouvia gemidos  sufocados para depois de um grito maior e unhas arranhando-lhe a costas  senti-la fora de si ao seu lado.
Sussurros e carícias, gemidos, calor e suor.  Um gongo que não tardaria.  Um golpe final. Dois vencedores afinal e o grito de vai, vai que já é campeão.
O dia bateu na janela para acordá-los, mas na lona, depois do combate, não tem vencedor nem vencido se todos são praticantes de um bom combate.


CANÇÃO
COM RAUL SEIXAS 

CONVERSA


Bem,
Se até aqui o ano demorou para engrenar, me parece que daqui por diante ele vai galopar.
Ainda outro dia era início de agosto e agora ainda a pouco já é setembro!
Acho maravilhoso já termos conseguido sobreviver até aqui e se tivemos perdas, e tivemos mesmo sei que é hora de enfrentarmos a vida como sempre fizemos e deixarmos de parecermos com um monte de ossos e carne encostada em um canto aguardando a morte vir nos levar. Até porque querendo ou não ela virá nos buscar uma hora ou outra.
Estive pensando no quanto aguardamos aqui em casa para que a 1a Flor Dama da Noite florescesse e ela ao tempo dela realmente floresceu, eram 23 horas de uma sexta feira, eu a vi rapidamente e fui dormir acreditando que pela manhã a veria com calma. Mas que nada! Quando acordei e fui ao jardim ela já havia fechado! E acham que ela abriu novamente? Não. Como fiquei espantada, pois é uma flor com muitos detalhes. Parece ser de um tecido em seda. Pois bem, então em poucas semanas a 2a flor apareceu e aí estávamos preparados para vê-la em toda sua plenitude por apenas uma noite.
Esta da imagem abaixo já é a 3a flor e acreditem que nem a vimos abrir. Era domingo e o filho primogênito e as 2 netas circulavam pela casa juntos os demais; e todos passamos pelo jardim em algum momento, mas a noite alguém gritou: -Gente, a Flor Dama da Noite abriu! E o movimento da casa não parou e até tiramos essas fotos. Quando fui olhar nessa segunda feira, ela já havia fechado e pude perceber mais 8 botões que acontecerão juntos em 2 semanas!
Penso que a Vida da gente precisa ser assim: Um acontecimento. Pois quando o nosso último suspiro chegar deveremos estar como eu me encontro atualmente: EM PAZ COMIGO MESMA.
Ótimo setembro para nós todos.
Bjins e vamos estar preparados para hora de voltarmos aos nossos abraços porque eu amo abraços até mais que beijos.
CatiahoAlc.




IMAGEM
Nessa imagem abaixo temos 3 personagens da vida real:
Meu filho caçula de 32 Anos, a Vovó Dudu de 87 anos e seu cãozinho o Charles.
Vovó Dudu faz exercícios caminhando na calçada ao redor do condomínio onde moramos.
Ele caminha acompanhada por seu fiel escudeiro Charles.
Durante todo período de quarentena ela faz esse percurso 3 vezes ao dia e para aqui em frente nossa casa para deixar o Charles descansar, enquanto ela observa o nosso jardim.
Nesse domingo depois das netas irem embora e casa se aquietou o nosso filho caçula depois de curtir a Flor Dama da Noite, resolveu se juntar a Vovózinha e ficou quase uma hora como podemos ver na foto: Conversando ou seja: Ele ouvindo e ela proseando. E o Charles? Ele é um cãozinho bem pequeno e ficou ali ao lado da sua amiga e dona.e acreditem:  essa prosa só acabou quando ele olhou para ela em sinal que era hora de irem.
Adorei ver e viver essa cena.
CatiahoAlc.










.

Ei!

O que estou escrevendo aqui NÃO É PESSOAL E NÃO SE

REFERE A NINGUÉM DA VIDA VIRTUAL E SIM DOS MEUS VIZINHOS

DE BAIRRO, OK?

Escrevo aqui para me expressar somente. Penso que estamos vivendo mais um dia e que devemos ser gratos a Deus e aproveitarmos todo aprendizado que esse dia nos trouxer. Devemos: usar máscara, mesmo os já vacinados , usar álcool gel, lavar as mãos ao chegarmos da rua, deixarmos os sapatos do lado de fora até serem limpos, evitarmos contato físico com pessoas que não vivem no mesmo recinto, evitar viajar (sem ser necessário) viajar a lazer nem pensar, não é hora de lazer, ainda que secos para tal estejamos. Eu ando com muita saudade dos meus amigosafilhados, das minhas irmãs e meu cunhado e de ver minha casa no RJ que está fechada desde janeiro de 2020, quando lá estive. Uma coisa tem me chamado muito a atenção: Parece que já terem sido contaminados e terem sobrevivido e a possibilidade da vacina, já deu a algumas muitas pessoas a ideia de estarem totalmente livres de contaminação, bem como os que já tomaram a vacina e passaram a ficar descuidados. Isso me preocupa muito. Estou reclusa em casa com meu marido e filho caçula há mais de 1 ano, vejo muito pouco meu filho mais velho, esposa e filhas que moram na cidade vizinha. Detesto não me sentir livre para ir e vir e mesmo para caminhar na orla que fica ha 3 ruas da minha casa. Vamos resistir mais um pouco, vamos preservar nossa saúde física e mental o mais que pudermos. Por hoje é o que eu penso; caso entendam que eu esteja errada: me perdoem. Bjins de bons dias a todos. CatiahoAlc.

Postagens mais visitadas

Atua LIz Ações