Web Statistics

Minhas Frases preferidas desde sempre:

"A felicidade de um amigo deleita-nos.

Enriquece-nos. Não nos tira nada.

Caso a amizade sofra com isso, é porque (ela a amizade)

não existe."

Jean Cocteau

...

"Saudade é a nossa alma dizendo para onde ela quer voltar."

Rubem Alves

Seres Espelhados Espalhando Sonhos e Delírios como eu

Translate

OBSERVAÇÃO NECESSÁRIA

LEITORESAMIGOS, Vocês já devem ter notado que as Publicações no Espelhando são compostas de mais de um item: Um Texto - Uma Can Cão - uma Poesia - IMagens. Deixo claro que: 1- Sou a única responsável pelas publicações 2- e seus conteúdos. 2- OS Itens das Publicações é para que CADA UM AMIGOLEITOR SÓ LEIA O QUE DESEJAR: OU O TEXTO (CON VERSA) OU A POESIA (COM VERSOS) OU OUÇA A MÚSICA (CAN ÇÃO) OU AS IMAGENS (FOTOS). CONTO COM A COMPREENSÃO DE VOCÊS QUERIDOS LEITORESAMIGOS CatiahoAlc.

domingo, 28 de fevereiro de 2016

Entrega

Se sobre
Tuas asas
Me levas
Vou sem 
Reservas
Pois tal 
Entrega 
Se dá 
Pelo tanto de 
Cuidados 
Com que me 
Cobres
Assim
Sigo de alma 
Elevada
E encantada 
Sob essa magia
Com
Olhos fechados
Sigo com a 
Alma
Entregue
Bendizendo o 
Bem 
Que essa nossa
Entrega
Faz
Catiaho Alc.
Poesia de 9 anos passados,
 foi escrita em  28 de fevereiro de 2008/Praia 17:00h +-


Um brinde aos Nove Anos de Nossas Vida em Pasargada!



    Q
uando eu vim com minha família morar no ES, tinha o meu coração cheio de uma Esperança como é uma Tarde de céu azul sem nuvens, como vejo agora da minha janela, o céu nesse último domingo de fevereiro de 2016.              Havíamos acabado de deixar para trás uma tempestade sem precedentes e quase sem comparação com coisas que eu já tivesse vivido, digo quase porque minhas aflições de infância e adolescência eram transitórias, pois eu ficaria adulta, amadureceria e teria em minhas mãos as decisões sobre minha vida. Já o que levou a mim e a minha família para longe do RJ, foi algo definitivo e permanente com é uma cicatriz...
De um momento para a outro estávamos nós quatro dentro de nosso carro,  um Verona Vermelho, carregado com poucas roupas e calçados, alguns livros meus, uma televisão, um computador, nossos três peixes em um pequeno aquário e todo material de trabalho de circo dos  filhos e de meu esposo (1 cama elástica, 1 mesa acrobática,   1 tubo acrobático, colchão e passadeira de circo, malabares, cenários e outros apetrechos do trabalho deles).
Durante aquela viagem Não haviam sonhos, ou planos em nossa mente, coração ou bagagem. Só havia uma enorme Vontade e Esperança de deixar o passado pra trás.         Meu esposo em tratamento de saúde, se concentrava em cumprir as ordens médicas. Nossos dois filhos recém formados na Escola Nacional de Circo RJ, recém retornados da primeira turnê circense deles que foi na Arábia Saudita, tinham todo futuro a ser descortinado adiante deles em uma terra nova.                 
E Eu? Ah, Eu tinha na mente apenas um enorme desejo de voltar a dormir sem sobressaltos, sem os terríveis pesadelos e uma certeza de forma alguma me deixar prender a nenhum trabalho formal e contínuo como os de oito horas diárias em cinco dias semanais, por exemplo. Na verdade o que eu queria para mim e para minha família até aquele fevereiro de 2007, era somente: Viver em paz.
Morar onde eu moro hoje é um sonho que eu não sonhei jamais: confesso. 
Hoje, exatos nove anos passados de ter chego aqui, quando penso e trago a mente nós quatro dentro de um Verona Vermelho carregado das nossas coisas, parado em frente a praça aguardando por duas horas de um domingo como o de hoje, a pessoa que nos traria a chave de um apartamento vazio, onde moraríamos nos 3 meses próximos, nesse mesmo condomínio que moramos ainda hoje. A visão que tenho agora enquanto escrevo é de: Quatro seres com toda uma vida dentro de um carro de passeio... Já no apartamento nos ajeitamos: Na sala montamos a mesa acrobática que por muito tempo foi nossa mesa de refeições, o apartamento tinha dois quartos e dormir, nós quatro dormimos no chão por um bom tempo. Logo na semana que chegamos fomos em um brechó e compramos uma geladeira, um fogão, um bujão de gás e alguns potes que ainda me acompanham hoje. Essas coisas eram o suficiente para tocarmos nossa vida.
Ficamos 3 anos sem voltar ao RJ a passeio, íamos rapidamente a trabalho, ou para resolver questões de documentos ou de saúde, mas nunca a passeio. Éramos seres  bem assustados ainda nesse tempo.
Pois bem, os dois filhos deram rumo a vida deles: um casou no ano seguinte com uma capixaba e o outro foi na mesma data trabalhar em SP e passou a correr o mundo com sua arte circense.
Vivendo em Paz os dois em casa, o Par aposentou-se e cumpriu a promessa de se dedicar a arte quando se aposentasse. E eu? Eu ainda em 2007, simbolista que sou fiz minha primeira tatuagem uma letra A no pulso esquerdo, depois com o tempo me entreguei a correr na orla para elaborar e a escrever meu primeiro livro. Com o tempo me tornei editora, comecei a viajar a trabalho como Assessora Editorial: São Paulo (capital), Campos do Jordão, São Vicente, Guarujá, RJ (centro e cidades) e quando dei por mim já estávamos eu e o Par de volta ao RJ, agora para conviver com os  Amigos mais chegados que irmãos que o trabalho da escrita e  a  literatura me apresentaram e que preservamos mutuamente  a convivência e o afeto até esse Tempo que chamo de Hoje.
Do dia de domingo que chegamos aqui,  guardo na mente a lembrança da alegria e o fervilhar da Praça toda noite em animação e agitação de famílias que moram por perto, nada mudou desse movimento e hoje presencio debruçada na  janela de casa.
O Verona Vermelho, esse já não é mais da gente faz tempo!
Eu corro na orla quase todos os dias com a mesma alegria dos primeiros tempos aqui. Ainda sento na areia da praia e escrevo, esquecendo tudo a meu redor, muitos dos textos que vocês leem em meus blogs são escritos assim, ao ar livre...
 Do medo e do sobressalto de quando cheguei aqui eu não tenho mais nada e a Esperança me faz feliz todos os dias que eu vivo aqui nesse lugar que ouso chamar de minha Pasargada; assim escrito sem acento mesmo, porque é meu canto, meu lugar que não existe igual para mais ninguém, senão para essa Mulher Poeta aqui.
Nos últimos anos tivemos muitas baixas na família, tanto pelo lado do Par quando no meu lado, coisas da vida, não há o que fazer se não aguentar a saudade pois de alguns não pudemos nem nos despedir.                                                                         Por outro lado nasceu a Ana Clara, nossa neta que nos encanta. Assim a  vida vai se equilibrando.
 Nesse fevereiro que nos deixa, eu Relembro essas coisas com a mesma Paz com a qual Viro a página de um bom livro lido.
Aprendi que se eu não exercer a função que me cabe, outro fará sem a mesma paixão que eu tenho.  Dessa minha atitude que surgiu o slogan: 
               Nascidos pra ser quem somos; sejamos de fato.
                              E é o que Eu Sou : Eu mesma.
                                                Catiaho Alc.


sábado, 27 de fevereiro de 2016

SÓ DEPOIS DO DEPOIS




Murmúrios
   Sussurros
      Palavras mal balbuciadas

Atenção redobrada
   Percepção aguçada
     Audição acionada

Ouvir com os olhos
   Sentir com os ouvidos
     Ver  com os sentidos

Perceber nuances do outro
   Absorver Preciosidades
     Tudo isso é  possível

  Depois
    Do depois

 Catiaho Alc.
120409

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Essa semana por aqui...

Minha gratidão por ter o privilégio de viver
esse belo encontro em um 
momento cristalizado 
na minha vida.
Catiaho Alc.

Virando a página


Sem olhar pra trás 
Eu sigo
Prosseguindo meu caminhar
Dividindo minha Poesia
Com a desejar abraçar
Sou Mulher Poeta
E assumo meu compromisso 
Com aqueles que comigo 
Quiserem somar
A fantasia do eterno 
Sonhar
CatiahoAlc.
15482502015
                                       É assim que hoje vejo o mundo:
                                   Através dos meus dedos.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Louca Dança da Vida

Quero me sentir no ar suspensa
enquanto a vida lá
 em baixo
apenas gira no confuso do seu olhar tentando...
tentando meus movimentos acompanhar.
Quero ver se você gira comigo,
se segue a linha do meu umbigo
e desce ao centro do perigo.
Quero ver se assim girando pra você 
consigo sem forças ficar,
pra direto nos seus braços cair.
Desacordar dessa  odisseia de viver,
ao sentir o calor  do corpo seu.
Que essa dança seja um tipo de redenção.
 Seja ela  minha expurgação desse viver 
sem rumo ,
sem prumo e sem canção.
 Quero depois já nos braços seus
 ao longe ouvir o suave sussurrar
 percebendo 
e pouco a pouco entender 
que bem em  meu ouvido é você que  balbucia
tudo que  de mim deseja saber.
E como  sob efeito do soro da verdade
 minha dança já valeu,
levou de mim todo breu.
Agora segura em seus braços
já posso novamente 
 me aprumar
e nova canção recomeçar 
e juntos vamos então dançar 
lou
ca
mem
te
Só  você e eu.
Catiaho Alc.Reflexo d'Alma
 entre delíros e delirios dançando pro amor meu...

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Entre... Sobre...














Entre cores
         Sobre cor
             Multicores

Entre linhas
          Sobre pontos
               Multi linhas

Entre sonhos
          Sobre formas
                Multi formas

Difusão de linhas
        Mistura de sombras
                   Junção de cores

É assim que hoje
        A vida pra mim
            Se mostra
CatiahoAlc.
               Entre sonhos e delírios
251105

sábado, 6 de fevereiro de 2016

MaryTrarbach em SOLIDÃO /Daniel Costa em AMOR NA DIÁSPORA/ Samuel Balbinot em COMO UMA CRIANÇA NOVAMENTE / silvioafonso em:UM TIRO NO CORAÇÃO /CatiahoAlc. em Muita ALEGRIA e Muitas Lembranças BOAS pra Nós!



SOLIDÃO

Minha amiga, companheira,
Em teu ombro me recosto e posso chorar sem medo.
Diante de ti, posso cantar... Sorrir... Dançar e me despir sem pudor.
Posso dormir... Sonhar ou simplesmente devanear...
Posso falar... Gritar e me emocionar...
Posso ouvir minha música no volume que eu quiser...
Ir ao banheiro de porta aberta, sem medo do voyer...
Posso comer... Xingar e liberar meus flatos.
Diante de ti, posso esvaziar-me por completo, liberando todo o meu ser...
Posso ler... Estudar... Escrever... Comemorar um bom trabalho... Pular...
Enfim, diante de ti posso sempre ser eu em toda a minha plenitude.
Não preciso de ética, etiquetas ou pudores...
Tu nunca argumentas, mas seu som cala forte em meu coração.
Às vezes, em meio à multidão, sinto a tua presença...
Nas madrugadas frias, sinto-te comigo.
Muitos te odeiam, mas eu te amo!
E agradeço por estares sempre comigo e por me trazeres a inspiração.
Minha melhor amiga, teu nome é solidão.
©MaryTrarbach







AMOR NA DIÁSPORA

Pelo mundo afora
Esquecendo o que foi a Babilónia
Amor na diáspora
Ainda não havia a Rondónia
Já não temos a humanidade de outrora
            “Em verdade vos digo”, ficou sempre a agonia!
A agonia devastadora
Sempre a esperança, como espora
O saber esperar de baronia
Esperar com otimismo a nossa hora
Olhar carinhosamente, o azul do amor, da harmonia!
Esperar a auscultadora viajar sem demora
Ver o seu mundo, em tons que não pressagia
A insana calculadora!
Esperando, amadureça com amónia
Que fique com a sua ânfora,
Para acabar com a insónia!
A pode utilizar a imaginar, como foi devastadora!
Se metamorfoseando sem parcimónia,
Da devassidão é promotora
Orgulho de pretender ser da Caledónia
Do pecado de desejar desamor é detentora
A tentar criar desarmonia…
… Amor na diáspora,
Que vencerá com terna polifonia!
Amor na diáspora!

©DanielCosta



©SamuelBalbinot

..
UM TIRO NO CORAÇÃO
Eu já fui carregado nos braços, nos ombros e no coração, mas nas costas 
ninguém me levou ou eu carreguei ninguém.  Tem vez que tentam fazer de mim um cara mais fraco do que sou e por isso me fazem de gato e sapato e como eu lhes dou as costas me chutam a bunda e riem de mim. Assim é a humanidade, paradoxal. As pessoas escolhem seus alvos para se mostrarem bons atiradores, mas se esses alvos, antes do primeiro disparo caírem em sofrimento com uma doença desconhecida, por incrível que possa parecer esses mesmos atiradores se envolvem na causa e sem medir esforços se doam, se entregam como os americanos se doaram aos vietcongues depois da guerra,  e fazem isso de tal maneira que se tornam em mais um Charles entre muitos que fizeram questão de trocar o próprio nome. Eu não posso deixar de falar na histórica França que nas ruas colocou o que tinha de melhor na presidência e nos seus ministérios e com esse gesto viu formar a corrente humana com presidentes, príncipes e reis de países que se deram os braços em elos reforçando a corrente da indignação. Tal seriedade para a morte de alguns trabalhadores da imprensa calou a boca brasileira que tem seu povo mal tratado pela governança que não se comoveu com meia dúzia de gatos pingados que, em passeata como a de junho passado, sofreu com a infiltração de mascarados, paus mandados. 
Tive muita vontade de ofertar meus braços para fortalecer a corrente daquele milhão e meio de franceses e não franceses que, revoltados com a fé estremada de alguns que, em nome de Alá, não respeitam o deus dos outros. É duro ter que engolir o sapos que nos enfiam goela abaixo sem uma bebida para companhar, é duro ter que aceitar na tua trincheira um amigo que vai esvaziar o teu cantil  para te matar de sede. Dormir na tua cama para te ver mal na manhã seguinte e achar que te faz um favor enorme. Eu não bebo se o meu amigo não saciou a sua sede e só me deito em sua cama se ele se deitou primeiro.
Tem vez que você fica triste e não sabe por que motivo. Eu me sinto assim não faz muito tempo, mas também não sei, ou acho que não sei por que.
©silvioafonso




De repente...
Estou com uma deliciosa vontade
De relembrar somente coisas boas
E linda
Que são parte do meu doce
 Viver.
Catiaho Alc.



















































.

Ei!

O que estou escrevendo aqui NÃO É PESSOAL E NÃO SE

REFERE A NINGUÉM DA VIDA VIRTUAL E SIM DOS MEUS VIZINHOS

DE BAIRRO, OK?

Escrevo aqui para me expressar somente. Penso que estamos vivendo mais um dia e que devemos ser gratos a Deus e aproveitarmos todo aprendizado que esse dia nos trouxer. Devemos: usar máscara, mesmo os já vacinados , usar álcool gel, lavar as mãos ao chegarmos da rua, deixarmos os sapatos do lado de fora até serem limpos, evitarmos contato físico com pessoas que não vivem no mesmo recinto, evitar viajar (sem ser necessário) viajar a lazer nem pensar, não é hora de lazer, ainda que secos para tal estejamos. Eu ando com muita saudade dos meus amigosafilhados, das minhas irmãs e meu cunhado e de ver minha casa no RJ que está fechada desde janeiro de 2020, quando lá estive. Uma coisa tem me chamado muito a atenção: Parece que já terem sido contaminados e terem sobrevivido e a possibilidade da vacina, já deu a algumas muitas pessoas a ideia de estarem totalmente livres de contaminação, bem como os que já tomaram a vacina e passaram a ficar descuidados. Isso me preocupa muito. Estou reclusa em casa com meu marido e filho caçula há mais de 1 ano, vejo muito pouco meu filho mais velho, esposa e filhas que moram na cidade vizinha. Detesto não me sentir livre para ir e vir e mesmo para caminhar na orla que fica ha 3 ruas da minha casa. Vamos resistir mais um pouco, vamos preservar nossa saúde física e mental o mais que pudermos. Por hoje é o que eu penso; caso entendam que eu esteja errada: me perdoem. Bjins de bons dias a todos. CatiahoAlc.

Postagens mais visitadas

Atua LIz Ações